Confiança do comércio sobe em novembro

O Índice de Confiança do Comércio (ICOM) da FGV apresentou alta de 7,5% em novembro ao registrar 65,9 pontos, na comparação mensal dos dados dessazonalizados. O resultado vem após cinco quedas consecutivas. Mantida a base de comparação, o resultado do Índice de Expectativas subiu 5,4% e o Índice da Situação Atual obteve alta de 9,4%.

Na série original, sem ajustes, foi observada queda de 20,3% na comparação interanual. Mantida a base de comparação, o Índice da situação atual caiu 24,7% e o índice de expectativas recuou 10,3%.

A partir de novembro de 2015 a FVG revisou a metodologia do indicador, passando a utilizar a versão 2.0 da Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE 2.0, IBGE).

Apesar do resultado positivo no mês, o indicador ainda representa o terceiro pior resultado da série histórica iniciada em março de 2010. Dada a atual conjuntura econômica, esperamos que uma melhora se consolide de maneira significante apenas em meados de 2016.

Posts relacionados

Dívida com cartão de crédito e boleto levam paulistano a mutirão de renegociação de dívidas

A maioria (60%) dos consumidores que compareceu ao mutirão “Acertando suas Contas”, da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), na cidade de São Paulo, com a intenção de negociar suas dúvidas, buscou a renegociação do débito causado pelo cartão de crédito. A constatação é de levantamento realizado no próprio local pela Boa…

MUTIRÃO ACERTANDO SUAS CONTAS

AVISO DE PAUTA A Boa Vista SCPC inicia na próxima sexta-feira, dia 25 de novembro, mais uma edição do seu já tradicional mutirão de renegociações de dívidas aqui na capital paulista. Até 3 de dezembro, ininterruptamente, o mutirão “Acertando suas Contas” permitirá que consumidores que estão com contas em atraso encontrem em um ambiente mais…

Percentual de cheques devolvidos sobre movimentados atinge 2,30% no acumulado do ano, segundo Boa Vista SCPC

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados atingiu 2,30% no acumulado de janeiro a outubro, registrando o pior resultado da série histórica, iniciada em 2006. No acumulado do ano, os cheques devolvidos recuaram 7,8% em relação ao mesmo período do ano anterior. Tanto os…