IBC-BR: atividade econômica cai 1,41% no 3º trimestre

Segundo o Banco Central, no terceiro trimestre do ano o indicador antecedente da atividade econômica, o IBC-BR, apresentou queda de 1,41%, na comparação contra o trimestre anterior, com dados dessazonalizados. No acumulado do ano também houve recuo, de 3,38% na comparação contra o mesmo período de 2014, na avaliação dos dados sem ajuste. No acumulado em 12 meses (outubro de 2014 até setembro deste ano), a retração atinge 2,76%.

Na análise mensal dos dados com ajuste sazonal, o indicador apontou queda de 0,50% frente a agosto, refletindo os dados consolidados da Pesquisa Mensal do Comércio e da Pesquisa Industrial Mensal (que em setembro apontaram retrações de 0,5% e 1,3%, respectivamente).

O indicador corrobora para o pessimismo das projeções de mercado. Levando em consideração as expectativas do boletim Focus do BC desta segunda-feira (16/11) a atividade econômica em 2015 possui expectativa de retração de 3,1%, enquanto que para o próximo ano o valor esperado economia também sofreu revisão para baixo, atingindo a casa dos -2,0%.

ibcbr

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 0,5% em julho

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 0,5% em julho quando comparado a junho na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação acumulada em 12 meses (agosto de 2016…

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,90% em julho

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos), como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 1,90% em julho, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,31 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve alta frente ao mês anterior (em junho o…

PNAD: Rendimentos apresentam leve melhora no 2T17

De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad), os rendimentos reais dos trabalhadores apresentaram melhora em todas as regiões quando avaliadas os valores acumulados em 4 trimestres. A Região Nordeste registrou a primeira marcação positiva (1,6%), ao lado da região Sudeste (0,1%) e Centro Oeste (0,8%). Em relação ao mesmo período…