Inflação acumulada em 12 meses atinge 9,32% em maio

De acordo com o IBGE, a apuração do resultado da inflação oficial (IPCA) foi de 9,32% em maio considerando os valores acumulados em 12 meses, resultado que ficou um pouco acima do registrado em abril (9,28%). Com relação a abril vemos um aumento de 0,17p.p. atingindo 0,78%, a taxa mais alta para maio desde 2008. O maior responsável pela elevação do índice foi o grupo de Habitação, que variou 1,79% na comparação mensal. Especificamente, a taxa de água e esgoto do grupo Habitação foi a que mais colaborou para a elevação mensal deste grupo.

Sem título

Dos nove grupos analisados, cinco registraram desaceleração na comparação mensal com abril: Alimentação e Bebidas passou de 1,09% para 0,78%; Transportes variou -0,58% em maio, ante 0,03% em abril; a variação de Saúde e Cuidados Pessoais passou de 2,33% no mês anterior para atuais 1,62%; Educação variou 0,16% nesta aferição ante 0,20% registrados anteriormente e Comunicação passou de 1,47% em abril para 0,01% no resultado deste mês. Os demais grupos apresentaram aceleração em maio: Habitação variou 1,79% Artigos de Residência subiu 0,63%; Vestuário 0,91% e Despesas Pessoais acelerou para 1,35%.

O resultado do mês ainda está distante da proposta estabelecida pelas metas de inflação (permite até 6,5% de inflação no ano) e até mesmo do resultado consenso de mercado medido pelo relatório Focus do BC divulgado no início da semana, o qual prevê um IPCA de 7,12% para 2016.  Já para 2017 o relatório Focus já prevê uma inflação dentro da meta, de 5,12%.

Por ora, podemos descartar uma queda mais forte da inflação para 2016. Este racional é derivado do fato de que as políticas implementadas pela autoridade monetária possuem um horizonte de eficácia mínimo de 6 meses e entende-se, portanto, que não haverá tempo hábil para arrefecimento da inflação (as expectativas de alteração dos juros são remotas e a próxima reunião do COPOM ocorre amanhã). Com isso, a dinâmica da inflação passará a depender quase que na totalidade da influência de fatores exógenos da economia, como câmbio, preço de commodities, entre outros. Em resumo, grandes mudanças de juros e inflação ficam somente para 2017.

Posts relacionados

Boa Vista SCPC internaliza equipe de relacionamento com a imprensa

A Boa Vista SCPC acaba de adotar um novo modelo de Relacionamento com a Imprensa. Esse trabalho, antes realizado pela agência Tamer Comunicação Empresarial, passa a ser internalizado e desempenhado pela equipe de Comunicação e Imprensa. A área está sob a gestão de Leandro Jordão, responsável também pelas ações de Relações Públicas da empresa, e…

Percentual de cheques devolvidos atingiu 2,07% em janeiro, segundo Boa Vista SCPC

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 2,07% em janeiro de 2017, registrando diminuição em relação a janeiro de 2016, quando alcançou 2,35%. O percentual de cheques devolvidos sobre movimentados também recuou na comparação mensal, (em dezembro o nível foi de 2,20%), sendo…

Inadimplência do consumidor sobe 3,9% em janeiro, diz Boa Vista SCPC

A inadimplência do consumidor obteve alta de 3,9% em janeiro na avaliação dessazonalizada contra dezembro, de acordo com dados nacionais da Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (fevereiro de 2016 até janeiro de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve retração 1,9%. Já quando comparado o resultado de janeiro contra o mesmo…