Inflação acumulada no ano é a maior desde 2003

De acordo com o IBGE, a apuração do resultado da inflação oficial (IPCA) atingiu o maior resultado acumulado no ano desde 2003 ao registrar 7,22% em agosto. No acumulado em 12 meses o aumento dos preços desacelerou para 9,53%. Para este mês, a inflação registrou 0,22% frente a 0,62% de julho.

A categoria que obteve a maior queda no mês foi a de Transportes, com variação de -0,27%. A retração na categoria foi motivada pela diminuição dos preços de Passagens aéreas (-24,9%). Alimentação e bebidas obtiveram queda de 0,01%, ante elevação de 0,65% no mês anterior. Vestuário, por sua vez, elevou 0,51p.p., passando para patamar positivo, em 0,20%.

A elevação nos preços neste ano tem sido motivada principalmente pelos preços administrados, que sem mantém em nível praticamente duas vezes superiora ao dos preços livres no acumulado em 12 meses (administrados apontam 15,75% de elevação, enquanto livres sobrem 7,74%).

As expectativas inflacionárias deverão sofrer alterações consideráveis nesta próxima semana, em grande parte devido ao downgrade de risco do país, realizado ontem pela agência Standard & Poors (S&P). Esta decisão certamente afetará a política monetária vigente e consequentemente a inflação. Para este ano, o aumento de juros já não possui mais eficácia com relação ao combate inflacionário (alterações nos juros demoram cerca de 6 meses para surtir algum efeito na inflação), e mesmo com a disparada recente do dólar (que deverá ser agravada), as expectativas para o nível de preços deverão permanecer acima dos 9%.

Para o ano que vem, o câmbio desvalorizado deverá pressionar mais fortemente do que em 2015 os preços livres, fazendo com que os juros continuem em trajetória de alta. O efeito S&P proporcionará certamente maior rigidez fiscal em 2016 e os preços administrados deverão sofrer maiores ajustes. Assim, os preços gerais deverão ficar acima do esperado pelo mercado no último boletim Focus, em 5,58%.

Em suma, o cenário ainda é bastante incerto para os juros e inflação para 2016, mas a provável hipótese é que haja um forte aumento agora da Selic e, de forma tempestiva, o Banco Central modere a política monetária, fazendo com que a inflação fique dentro de seus limites (até 6,5%). Por ora, o atingimento pleno no centro da meta inflacionária em 2016 já começa ser protelado para 2017. A ver.

ipca

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 0,5% em julho

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 0,5% em julho quando comparado a junho na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação acumulada em 12 meses (agosto de 2016…

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,90% em julho

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos), como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 1,90% em julho, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,31 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve alta frente ao mês anterior (em junho o…

PNAD: Rendimentos apresentam leve melhora no 2T17

De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad), os rendimentos reais dos trabalhadores apresentaram melhora em todas as regiões quando avaliadas os valores acumulados em 4 trimestres. A Região Nordeste registrou a primeira marcação positiva (1,6%), ao lado da região Sudeste (0,1%) e Centro Oeste (0,8%). Em relação ao mesmo período…