PIB cai 0,3% no primeiro trimestre do ano

Variação se refere à comparação dos dados com ajuste sazonal contra o último tri de 2015

Segundo o IBGE, o PIB (Produto Interno Bruto) recuou 0,3% na análise dessazonalizada contra o último trimestre de 2015. O resultado ficou bastante acima da média de mercado, que até final da semana passada previa uma queda de 0,7%, mantida a base de comparação. Já nos dados sem ajuste sazonal, na comparação contra o mesmo trimestre do ano anterior (análise interanual), a queda foi de 5,4%, enquanto para os valores acumulados em 4 trimestres a atividade econômica aprofundou sua queda em 0,9 p.p., atingindo variação de -4,7%.

Na análise dos dados com ajuste sazonal, o principal componente da demanda, o consumo das famílias, obteve nova queda, de 1,7%. Já a formação bruta de capital fixo e as importações obtiveram quedas de 2,7% e 5,6%, respectivamente. Consumo do Governo e Exportações, por sua vez, foram componentes desta ótica que obtiveram variação positiva, sendo 1,1% para o primeiro e 6,5% para o segundo.

Sem título

Mantida a base de comparação, avaliando o lado da oferta, a queda foi generalizada. O segmento industrial obteve a 8ª queda consecutiva na margem (-1,2%), enquanto o setor de serviços e o agropecuário retraíram 0,2% e 0,3%, respectivamente.

A inflação elevada e a política monetária contracionista ainda continuam sendo fortes determinantes da redução do poder de compra das famílias. Em um cenário de retração do consumo, as empresas passaram a acumular estoques e, para além da redução da produção, intensificaram conjuntamente sucessivas ações de desinvestimento. Ademais, os gastos governamentais continuaram elevados, fator extremamente negativo para ocasião, dada a conjuntura de deterioração das contas públicas e suas implicações sobre o setor produtivo.

Pelo lado da oferta, a indústria tem atuado como a verdadeira âncora da produção. A estagnação e recessão de setores notáveis como os da construção civil, petróleo e gás, bens de capital em geral, têm disseminado o desempenho negativo para os demais setores, sobretudo para o setor de serviços, dependente em grande parte do desempenho industrial – e o maior em termos de representatividade à produção total da economia.

Apesar do novo tombo da atividade agregada, já é possível observar uma desaceleração da queda das tendências dos componentes do PIB (em ambas óticas aqui detalhadas, da oferta e da demanda), em específico, a demanda das famílias e indústria. Com estes resultados, espera-se que uma inflexão generalizada das tendências negativas dos componentes do PIB já ocorra no 3° tri., fato que apesar de ainda não retirar a economia de uma “esteira” da recessão, ao menos implicará em uma retomada do crescimento econômico em 2017.

Os resultados citados encontram-se disponíveis na tabela resumida abaixo.

Sem título

 

 

 

 

 

 

 

Posts relacionados

Boa Vista SCPC internaliza equipe de relacionamento com a imprensa

A Boa Vista SCPC acaba de adotar um novo modelo de Relacionamento com a Imprensa. Esse trabalho, antes realizado pela agência Tamer Comunicação Empresarial, passa a ser internalizado e desempenhado pela equipe de Comunicação e Imprensa. A área está sob a gestão de Leandro Jordão, responsável também pelas ações de Relações Públicas da empresa, e…

Percentual de cheques devolvidos atingiu 2,07% em janeiro, segundo Boa Vista SCPC

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 2,07% em janeiro de 2017, registrando diminuição em relação a janeiro de 2016, quando alcançou 2,35%. O percentual de cheques devolvidos sobre movimentados também recuou na comparação mensal, (em dezembro o nível foi de 2,20%), sendo…

Inadimplência do consumidor sobe 3,9% em janeiro, diz Boa Vista SCPC

A inadimplência do consumidor obteve alta de 3,9% em janeiro na avaliação dessazonalizada contra dezembro, de acordo com dados nacionais da Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (fevereiro de 2016 até janeiro de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve retração 1,9%. Já quando comparado o resultado de janeiro contra o mesmo…