PNAD: Desemprego atinge 10,9% no 1º trimestre do ano

De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad), a taxa de desemprego atingiu 10,9% no 1º trimestre do ano, pior resultado desde o início da série, em 2012. O valor é 0,7 p.p. superior ao registrado no trimestre móvel encerrado em fevereiro e, com isso, é o terceiro mês consecutivo que o aumento acontece de forma bem acentuada. Este resultado também superou os 7,9% registrados no mesmo período em 2015.

O número de pessoas desempregadas atingiu cerca de 11,1 milhões de trabalhadores, com elevação de 39,8% frente ao resultado do ano anterior e de 22,2% ante o 4º trimestre de 2015.

A indústria foi a atividade que mais eliminou postos de trabalho. No 1º trimestre do ano, o setor diminuiu 1,5 milhão de vagas, recuo de 11,5% na comparação interanual. Em relação ao 4º trimestre do ano anterior, o recuo foi de 645 mil pessoas.

Outro destaque foi a perda de empregos com carteira assinada. Na variação interanual, 1,4 milhão de pessoas perderam esse tipo de emprego, em apenas um trimestre esse número foi de 772 mil.

O rendimento habitual real registrou uma média de R$1.966, atingindo uma queda real de 3,2% na comparação interanual e um leve aumento 0,3% contra o 4º trimestre de 2015. Com isso, a massa de rendimento totalizou R$ 173,5 bilhões, 4,1% inferior ao mesmo trimestre do ano anterior e 1,3% menor que o 4º trimestre.Sem título

Com a diminuição dos postos de trabalho, a demanda por vagas tende a aumentar. Somado a isso, a queda dos rendimentos reais dos trabalhadores contribui para que mais pessoas entrem no mercado de trabalho a fim de incrementar o orçamento das famílias. Esses dois fatores pressionam a taxa de desemprego, como observado ao longo de 2015 e, de forma ainda mais acentuada, nos 3 meses deste ano.

O recuo na atividade econômica tem levado as empresas a reduzirem seus custos, e o número de demissões leva a crer que este foi o principal meio encontrado pelas empresas. Tendo em vista a pouca possibilidade de mudanças no curto prazo, o cenário mais provável é que a PNAD continue em tendência de alta ao longo do ano.

Posts relacionados

CAGED: Setembro registra sexto saldo positivo consecutivo

Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério do Trabalho, em setembro o saldo de vagas no mercado de trabalho (diferença entre novas contratações e demissões) foi positivo em 34,4 mil postos. Deste modo, a leitura atual contrasta quando comparado ao mesmo período do ano anterior, quando foram encerradas 39,3…

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…