PNAD: Desemprego atinge 11,2% em maio

De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad), o desemprego tornou a subir no país e atingiu 11,2% no trimestre móvel encerrado em maio. Este valor é 1,0 p.p. maior que o registrado no trimestre móvel encerrado em fevereiro, é o mesmo valor do trimestre móvel encerrado em abril e 3,1 p.p. maior do que a taxa de desemprego registrada no mesmo período do ano passado (comparação interanual).

A taxa de ocupação no Brasil (TO) – que mede a porcentagem da população com idade de trabalhar que está efetivamente ocupada – manteve-se praticamente estável, com avanço de 0,1 p.p., alcançando o nível de 54,7%. Já a população economicamente ativa (PEA), cresceu 2,0% na comparação interanual, nível de crescimento maior que o registrado nos outros trimestres móveis do ano.Sem título

O rendimento habitual real, por sua vez, continua com tendência negativa, com queda de 1,8% na variação acumulada em 12 meses.

Apesar da tendência de queda o rendimento real habitual se manteve relativamente estável quando comparado aos três meses anteriores.

Sem título

O recuo na atividade econômica tem levado as empresas a reduzirem seus custos, diminuindo o número de postos de trabalho e consequentemente aumentando a demanda por vagas. Ou seja, há um duplo movimento de intensificação da taxa de desemprego, uma vez que há maior número de desempregados e concomitantemente uma elevação da demanda por postos de trabalho, gerando a taxa elevada de 11,2%.

Contudo, já é possível observar estagnação da TO e certa reversão do crescimento da população desocupada, movimentos que contribuem para a estabilidade da taxa de desemprego neste atual patamar. Nos rendimentos ainda ocorre intensificação da tendência de queda, porém tal movimento deverá ser amenizado até o final do ano, devido ao movimento desinflacionário da economia, sinalizando uma pequena melhoria das condições do mercado de trabalho no curto prazo.

Desta forma, com a manutenção dessas tendências, espera-se para o final do ano uma taxa de desemprego em torno de 11% e uma queda de 1% dos rendimentos reais.

 

Posts relacionados

Boa Vista SCPC: recuperação de crédito sobe 3,0% em janeiro

O indicador de recuperação de crédito – obtido a partir da quantidade de exclusões dos registros de inadimplentes da base do crédito– apontou elevação de 3,0% na análise mensal contra dezembro, descontados os efeitos sazonais. Já na variação acumulada em 12 meses apresentou alta de 2,7%, enquanto na análise interanual (mesmo mês de 2016) houve…

81% dos consumidores esperam que em 2017 a relação entre recebimento e gastos melhore, segundo Boa Vista SCPC

A maioria dos entrevistados (81%) na Pesquisa Perfil do Inadimplente, da Boa Vista SCPC, espera que em 2017 a relação entre recebimentos e gastos esteja melhor do que a existente no 4º trimestre de 2016, período no qual o levantamento foi elaborado contendo a participação de consumidores de todo o país. Em dezembro de 2015,…

CDC completa 27 anos e representa uma conquista de consumidores e de empresas

Março é um mês especial para os consumidores (e para as empresas). É que no dia 11, há 27 anos, entrou em vigor o Código de Defesa do Consumidor (CDC). A Lei 8.078 foi assinada pelo então presidente Fernando Collor em setembro de 1990, determinando que entrasse em vigor seis meses depois, no dia 11…