PNAD: Desemprego atinge 11,2% em maio

De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad), o desemprego tornou a subir no país e atingiu 11,2% no trimestre móvel encerrado em maio. Este valor é 1,0 p.p. maior que o registrado no trimestre móvel encerrado em fevereiro, é o mesmo valor do trimestre móvel encerrado em abril e 3,1 p.p. maior do que a taxa de desemprego registrada no mesmo período do ano passado (comparação interanual).

A taxa de ocupação no Brasil (TO) – que mede a porcentagem da população com idade de trabalhar que está efetivamente ocupada – manteve-se praticamente estável, com avanço de 0,1 p.p., alcançando o nível de 54,7%. Já a população economicamente ativa (PEA), cresceu 2,0% na comparação interanual, nível de crescimento maior que o registrado nos outros trimestres móveis do ano.Sem título

O rendimento habitual real, por sua vez, continua com tendência negativa, com queda de 1,8% na variação acumulada em 12 meses.

Apesar da tendência de queda o rendimento real habitual se manteve relativamente estável quando comparado aos três meses anteriores.

Sem título

O recuo na atividade econômica tem levado as empresas a reduzirem seus custos, diminuindo o número de postos de trabalho e consequentemente aumentando a demanda por vagas. Ou seja, há um duplo movimento de intensificação da taxa de desemprego, uma vez que há maior número de desempregados e concomitantemente uma elevação da demanda por postos de trabalho, gerando a taxa elevada de 11,2%.

Contudo, já é possível observar estagnação da TO e certa reversão do crescimento da população desocupada, movimentos que contribuem para a estabilidade da taxa de desemprego neste atual patamar. Nos rendimentos ainda ocorre intensificação da tendência de queda, porém tal movimento deverá ser amenizado até o final do ano, devido ao movimento desinflacionário da economia, sinalizando uma pequena melhoria das condições do mercado de trabalho no curto prazo.

Desta forma, com a manutenção dessas tendências, espera-se para o final do ano uma taxa de desemprego em torno de 11% e uma queda de 1% dos rendimentos reais.

 

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…

Volume de serviços recua 1,0% em agosto e 4,5% no acumulado 12 meses

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE, o volume de serviços apresentou queda de 1,0% em agosto contra o mês anterior (dados dessazonalizados). A categoria de serviços prestados às famílias foi a única a apresentar queda (-4,8%), bastante atípica para o mês considerando o histórico da série. Os demais grupos apresentaram crescimento: Serviços…