Primeiro trimestre do ano mostra nova desaceleração para o varejo

Por Yan Nonato Cattani, Economista da Área de Indicadores e Estudos Econômicos da Boa Vista SCPC

 

Hoje o IBGE divulgou seu resultado sobre as vendas no varejo. O indicador registrou queda de 0,5%, resultado pouco pior do que o esperado pelo mercado (-0,2%) na véspera, de acordo com o Jornal Valor Econômico de hoje. O resultado segue praticamente em linha com o indicador coincidente do setor da Boa Vista SCPC, o Movimento do Comércio, que já havia apontado uma queda (-0,9%) no varejo restrito, mantida a base de comparação.

No indicador oficial, avaliando as aberturas do indicador restrito pela variação interanual (março de 2014 frente a março de 2013), cinco de oito categorias registraram diminuição das vendas: Livros, jornais, revistas e papelaria (-8,3%); Tecidos, vestuário e calçados (-7,3%); Materiais para escritório, informática e comunicação (-4,9%); Hipermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (-2,8%); Outros artigos de uso pessoal e doméstico (-3,8%).

Mantendo a base de comparação, observando os setores análogos ao do indicador do IBGE e também contemplados pelo indicador da Boa Vista, verificou-se que as variações de março caminharam para o mesmo sentido, com exceção do setor de Tecidos, vestuário e calçados, que obteve alta de 5,7% (frente a queda de 7,3%, já mencionada acima). Para os demais setores, a configuração ficou: Combustíveis e lubrificantes (10,5%); Móveis e eletrodomésticos (8,7%); e Supermercado, alimentos e bebidas (-0,8%).

Tabela Comércio Mar14

Na comparação de longo prazo, avaliada pelo valor acumulado em 12 meses, observa-se uma convergência dos indicadores. Por exemplo, a categoria com maior peso em ambos indicadores, supermercados, caiu de 2,7% em fevereiro para 2,1% no mês atual para o indicador oficial, enquanto no indicador da Boa Vista SCPC houve retração de 0,8 p.p. atingindo 2,2% em março.

Em linhas gerais, podemos dizer que o primeiro trimestre de 2014 obteve um resultado em linha com as expectativas de mercado, desacelerando. Levando em consideração estas evidências, para os próximos meses podemos afirmar que o setor varejista deverá apresentar nova queda de seu crescimento, devendo encerrar o ano com alta próxima de 4,0%. Contudo, ainda há de se contabilizar alguns efeitos que poderão dar algum fôlego (ou não) ao comércio, a exemplo do evento da Copa do Mundo e também as Eleições no último trimestre. A ver.

Posts relacionados

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,90% em julho

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos), como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 1,90% em julho, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,31 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve alta frente ao mês anterior (em junho o…

Número de novas empresas cai 3,8% no 2º trimestre

No 2º trimestre de 2017 o número de novas empresas caiu 3,8% em relação ao trimestre anterior, segundo levantamento da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), com abrangência nacional. Assim, o resultado configura a primeira queda para esse trimestre desde o início da série histórica (2003). Ainda assim, os valores acumulados no…

Vendas para o dia dos pais recuam 0,5% em 2017

As vendas do comércio para o dia dos pais diminuíram 0,5% em 2017 quando comparadas a 2016, segundo dados da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). O recuo das vendas nesta data foi mais fraco do que o observado em 2016, quando o comércio retraiu 5,2% em relação ao mesmo período de…