Primeiro trimestre do ano mostra nova desaceleração para o varejo

Por Yan Nonato Cattani, Economista da Área de Indicadores e Estudos Econômicos da Boa Vista SCPC

 

Hoje o IBGE divulgou seu resultado sobre as vendas no varejo. O indicador registrou queda de 0,5%, resultado pouco pior do que o esperado pelo mercado (-0,2%) na véspera, de acordo com o Jornal Valor Econômico de hoje. O resultado segue praticamente em linha com o indicador coincidente do setor da Boa Vista SCPC, o Movimento do Comércio, que já havia apontado uma queda (-0,9%) no varejo restrito, mantida a base de comparação.

No indicador oficial, avaliando as aberturas do indicador restrito pela variação interanual (março de 2014 frente a março de 2013), cinco de oito categorias registraram diminuição das vendas: Livros, jornais, revistas e papelaria (-8,3%); Tecidos, vestuário e calçados (-7,3%); Materiais para escritório, informática e comunicação (-4,9%); Hipermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (-2,8%); Outros artigos de uso pessoal e doméstico (-3,8%).

Mantendo a base de comparação, observando os setores análogos ao do indicador do IBGE e também contemplados pelo indicador da Boa Vista, verificou-se que as variações de março caminharam para o mesmo sentido, com exceção do setor de Tecidos, vestuário e calçados, que obteve alta de 5,7% (frente a queda de 7,3%, já mencionada acima). Para os demais setores, a configuração ficou: Combustíveis e lubrificantes (10,5%); Móveis e eletrodomésticos (8,7%); e Supermercado, alimentos e bebidas (-0,8%).

Tabela Comércio Mar14

Na comparação de longo prazo, avaliada pelo valor acumulado em 12 meses, observa-se uma convergência dos indicadores. Por exemplo, a categoria com maior peso em ambos indicadores, supermercados, caiu de 2,7% em fevereiro para 2,1% no mês atual para o indicador oficial, enquanto no indicador da Boa Vista SCPC houve retração de 0,8 p.p. atingindo 2,2% em março.

Em linhas gerais, podemos dizer que o primeiro trimestre de 2014 obteve um resultado em linha com as expectativas de mercado, desacelerando. Levando em consideração estas evidências, para os próximos meses podemos afirmar que o setor varejista deverá apresentar nova queda de seu crescimento, devendo encerrar o ano com alta próxima de 4,0%. Contudo, ainda há de se contabilizar alguns efeitos que poderão dar algum fôlego (ou não) ao comércio, a exemplo do evento da Copa do Mundo e também as Eleições no último trimestre. A ver.

Posts relacionados

Fazer parte do Cadastro Positivo passa a ser fundamental para o consumidor, afirma Boa Vista SCPC

Se por um lado a aprovação da Medida Provisória que tornará automática a adesão dos consumidores brasileiros ao banco de dados de bons pagadores, em virtude da alteração na Lei 12.414/2011 está, por tempo indeterminado, pendente em Brasília, por outro, passa a ser cada vez mais contundente a responsabilidade de o consumidor conhecer e entender…

Percentual de cheques devolvidos atinge 2,11% em maio, segundo Boa Vista SCPC

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 2,11% em maio, registrando uma diminuição em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando alcançou 2,33%. Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve aumento (em abril o nível foi de…

Movimento do Comércio sobe 2,7% em maio, diz Boa Vista SCPC

Informações do varejo apuradas pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito) apontam que o Movimento do Comércio subiu 2,7% em maio, considerando os dados mensais com ajuste sazonal. Na avaliação acumulada em 12 meses (junho de 2016 até maio de 2017 frente ao mesmo período do ano anterior) houve queda de 3,0%…