Varejo encerra ano com alta de apenas 2,2%

Por Yan Cattani e Juliane Reis, da equipe da Boa Vista SCPC

De acordo com a Pesquisa Mensal do Comércio, divulgada pelo IBGE, o volume de vendas no varejo restrito apresentou retração de 2,6% na comparação mensal de dezembro dos dados com ajuste sazonal. Comparando a série sem ajuste sazonal, a variação interanual (em relação ao mesmo mês do ano anterior) foi de 0,3%. Na análise do resultado acumulado em 12 meses, as vendas registraram 2,2%, mantendo o perfil de desaceleração verificado nos últimos meses, com redução de 0,4p.p frente a novembro, mantida base de comparação.

Através da análise dos dados dessazonalizados, verifica-se queda generalizada das categorias. O destaque ficou com “Móveis e Eletrodomésticos”, que caiu 9,9%. “Livros, jornais revistas e papelaria” praticamente devolveu o crescimento de novembro (quando cresceu 11,5%):  em dezembro apresentou queda de 9,2%. As demais categorias ficaram configuradas da seguinte maneira: “Materiais para escritório” (-8,8%), “Tecidos, vestuário e calçados” (-7,3%); “Outros” (-2,7%); “Artigos farmacêuticos” (-1,1%); “Combustíveis e lubrificantes” (-0,5%) e “Hipermercados e supermercados” (-0,1%). Já para o resultado ampliado do varejo, isto é, incluindo as vendas de materiais de construção e de veículos automotores, também houve queda, de 3,7%.

O varejo consolidou o fraco resultando desempenhado ao longo do ano. A fraca atividade econômica, desaceleração do crescimento do crédito, pressão inflacionária e baixa confiança na economia contribuíram para que o comércio apresentasse seu menor resultado desde 2003.

Para 2015, o cenário não é dos melhores: enquanto perdurarem as medidas corretivas (fiscal e de crédito), o comércio sofrerá as consequências, pois além de maior dificuldade em termos de tributação e acesso ao crédito, o setor continuará a lidar com alto nível de preços e piora do mercado de trabalho – que certamente apresentará elevação do desemprego e desaceleração dos rendimentos reais. Passado o efeito inicial dos ajustes, espera-se que o pessimismo na economia sofra alguma inflexão no segundo semestre, amenizando os fatores negativos. Sendo assim, por ora esperamos crescimento de 1,5% nas vendas varejistas.

PMC 01.12.2014

 

Tabela PMC 01.12.2014

Posts relacionados

CAGED: Setembro registra sexto saldo positivo consecutivo

Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério do Trabalho, em setembro o saldo de vagas no mercado de trabalho (diferença entre novas contratações e demissões) foi positivo em 34,4 mil postos. Deste modo, a leitura atual contrasta quando comparado ao mesmo período do ano anterior, quando foram encerradas 39,3…

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…