2016 versus 2015

 

No início de 2015, de acordo com o relatório Focus do Banco Central (BC), o mercado esperava um crescimento para a economia brasileira de aproximadamente 0,5%. No entanto, as expectativas mostraram-se excessivamente otimistas. O ano passado foi um período notavelmente negativo em quase todos os setores: segundo dados divulgados hoje pelo IBGE, o PIB (Produto Interno Bruto) recuou 3,8% em 2015, sendo o pior desempenho econômico desde 1990.

As drásticas mudanças no mercado de trabalho talvez tenham sido as que mais impactaram os resultados da economia. O desemprego passou de uma taxa de 4,3% no final de 2014 para 6,9% ao final de 2015, e a renda – que caiu 3,7% no ano – diminuiu fortemente o consumo das famílias (queda de 4%), principal variável da demanda. Outras variáveis, como a inflação persistentemente elevada e a política monetária contracionista, também foram determinantes para intensificar a perda do poder de compra, reduzindo em 4,6% o PIB per capita.

Em termos setoriais, o melhor desempenho foi registrado pelo setor agropecuário, que obteve elevação de 2,4% no ano, influenciado principalmente pela desvalorização cambial e consequente aumento das exportações. Para o segmento industrial, a diminuição do consumo e das vendas reais dos grandes varejistas impulsionou a queda de 6,2%, apresentando queda generalizada em toda produção, fato não observado nem durante a crise de 2008-2009. Já para o setor de serviços, a queda do comércio e do setor de transportes foram preponderantes para o seu resultado, atingindo uma redução de 2,7%.

Em 2016 a economia deverá continuar registrando perdas consideráveis pelo menos até o primeiro semestre do ano. Ademais, para além dos fatores negativos já citados, a piora das finanças públicas e o aumento do risco-país deverão continuar minando as expectativas dos agentes econômicos neste ano. Neste compasso, o PIB para 2016 deverá consolidar um novo resultado negativo, fato não observado desde 1930. Resta saber se ele será ainda pior que 2015. A ver.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Boa Vista SCPC: inadimplência do consumidor paulistano caiu 4,3% no 1º trimestre

A inadimplência do consumidor na cidade de São Paulo teve queda de 4,3% no acumulado do ano (1º trimestre de 2017 contra o mesmo período do ano passado), de acordo com os dados da Boa Vista SCPC. Na comparação interanual (março-17 contra março-16), a inadimplência retraiu 8,4%. Contra o mês anterior (março-17 contra fevereiro-17) houve…

Demanda por Crédito do Consumidor cai 4,0% no 1º trimestre, segundo Boa Vista SCPC

Dados nacionais da Boa Vista SCPC apontam que a Demanda por Crédito do Consumidor caiu 4,0% no 1º trimestre de 2017 na comparação com o mesmo período do ano anterior. Já na avaliação dos valores acumulados em 12 meses (abril de 2016 até março de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve retração de 9,3%,…

Percentual de cheques devolvidos atinge 2,29% em março, segundo Boa Vista SCPC

No mesmo mês do ano anterior, o percentual foi de 2,59% 20 de abril 2017 – O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 2,29% em março, registrando diminuição em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando alcançou 2,59%. O que representa menos cheques…