A baixa volatilidade da inadimplência

Em tempos de economia fragilizada, a cautela no mercado de crédito eleva-se, tanto para consumidores quanto para empresas. No caso das empresas, sofrer perdas extraordinárias em um cenário combalido pode ser um primeiro passo para um processo de falência, número que já cresceu cerca de 14% neste ano. Para as famílias, a combinação de exageros no consumo e aperto da renda disponível podem traduzir-se em aumento da inadimplência.

No entanto, neste último caso, o comedimento do consumo das famílias tem atuado de forma decisiva: o menor consumo e menor tomada de crédito diminuem também o fluxo de inadimplência futura. De fato, a inadimplência do consumidor obteve alta de apenas 1,1% nos valores acumulados em 12 meses até setembro (acumulado entre outubro de 2014 a setembro de 2015 contra os 12 meses antecedentes), de acordo com os últimos dados da Boa Vista SCPC, na avaliação da série sem ajuste sazonal.

Até poucos meses atrás, os rendimentos reais mantinham-se positivos e o desemprego consideravelmente baixo. Com a virada do mercado de trabalho neste ano começou-se a cogitar a possibilidade de um novo surto de inadimplência.

Ocorre que, como a desaceleração da atividade foi gradual durante os últimos 3 anos e as condições de disciplina dos consumidores são muito melhores que no início da década passada (quando o mercado de crédito promoveu uma verdadeira enxurrada de empréstimos e, consequentemente, um grande número de dívidas não pagas), esta inadimplência ainda não se consubstanciou, na medida em que o consumidor já vinha se desalavancando.

Evidência disso é que desde junho do ano passado o fluxo da inadimplência cresce sutilmente apesar da sensível piora de diversas variáveis condicionantes. A taxa de inadimplência calculada pelo Banco Central confirma essa estabilidade, em agosto de 2015 a taxa para pessoas físicas nos recursos livres foi de 5,5%, 0,2 p.p. inferior a agosto de 2014. A baixa volatilidade da inadimplência ainda é a boa notícia do mercado de crédito.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 0,5% em julho

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 0,5% em julho quando comparado a junho na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação acumulada em 12 meses (agosto de 2016…

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,90% em julho

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos), como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 1,90% em julho, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,31 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve alta frente ao mês anterior (em junho o…

PNAD: Rendimentos apresentam leve melhora no 2T17

De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad), os rendimentos reais dos trabalhadores apresentaram melhora em todas as regiões quando avaliadas os valores acumulados em 4 trimestres. A Região Nordeste registrou a primeira marcação positiva (1,6%), ao lado da região Sudeste (0,1%) e Centro Oeste (0,8%). Em relação ao mesmo período…