Acordo EUA-Irã aumentará a oferta global de petróleo

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

O governo de Obama ganhou uma importante batalha, desta vez diplomática, no Oriente Médio, ao trazer o Irã de volta à comunidade ocidental, pelo destravamento dos bloqueios de ativos, bens e comércio até aqui impostos pelos EUA, pela União Europeia e pelas Nações Unidas. A economia iraniana vai começar a respirar, depois de décadas de isolamento econômico. Ocorrerá, se bem administrado o processo de reintegração, uma explosão de crescimento naquele país, pelo efeito do relaxamento das restrições à entrada de capital e, principalmente, à venda do petróleo iraniano. O Irã deve recuperar, inicialmente, um comércio de cerca de um milhão de barris/dia, que havia perdido por não poder contratar nem seguro de transporte. O potencial vai além dos 2 milhões de barris/dia, com custo de produção incomparavelmente inferior ao da nossa dispendiosa província do pré-sal brasileiro.

Quem não gostou da iniciativa de paz foi a indústria da guerra. Os vizinhos israelenses, por sua vez, também torceram o nariz para as negociações. Estas estabelecem que o Irã só manterá urânio enriquecido a menos de 5% (usado em usinas nucleares), tendo que diluir o estoque enriquecido a 20%. Para fazer uma bomba, o urânio tem que passar por centrífugas até chegar a 90%. O controle internacional dessas centrífugas dará ao mundo algumas semanas de “vantagem”, caso o governo do Irã resolva, no futuro, escalar uma guerra nuclear preparando um petardo nuclear. Mas o Irã parece mais interessado em outra corrida, a do acesso às tecnologias e mercados do mundo capitalista. Mesmo com todo o embargo sofrido, o Irã tem uma renda per capita comparável à do Brasil, com cerca de metade do PIB brasileiro para uma população de menos da metade da brasileira. Com o alargamento da oferta de petróleo, o Brasil ganha mais um comprador, mas deverá encaixar o impacto de um eventual recuo acelerado dos preços das commodities, puxadas pelas cotações do óleo do Irã e do xisto dos EUA.

Ed.319

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…

Volume de serviços recua 1,0% em agosto e 4,5% no acumulado 12 meses

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE, o volume de serviços apresentou queda de 1,0% em agosto contra o mês anterior (dados dessazonalizados). A categoria de serviços prestados às famílias foi a única a apresentar queda (-4,8%), bastante atípica para o mês considerando o histórico da série. Os demais grupos apresentaram crescimento: Serviços…