Agência de risco reafirma nota do Brasil

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

Surpreendendo o mercado, a agência classificadora de risco Moody’s não elevou a nota de crédito do Brasil, embora estivesse com perspectiva positiva. A nota de classificação de risco do Brasil permanece em Baa2.  O principal argumento da agência para a não elevação da nota foi “o baixo crescimento médio de 2% em 2011 e 2012”.

Embora o argumento de um PIB abaixo do potencial possa ser usado como justificativa para a não elevação, a verdade é que a perspectiva positiva dessa agência de classificação, sinalizando um ajuste de nota para cima, não parece adequada. A alta e complexa carga tributária, as despesas correntes crescendo acima do PIB, o perfil da dívida pública e a taxa de investimentos abaixo do desejável no Brasil são alguns dos fatores que não são compatíveis com a nota de risco de crédito BBB+.

Ed.74

Comentários

comentários

Posts relacionados

Percentual de cheques devolvidos atinge 2,10% em abril, segundo Boa Vista SCPC

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados atingiu 2,10% em abril, registrando uma diminuição em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando alcançou 2,33%. Na comparação mensal o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve diminuição (em março o nível foi de 2,29%),…

Boa Vista SCPC: Demanda por Crédito do Consumidor cai 2,3% em abril

A Demanda por Crédito do Consumidor caiu 2,3% em abril com ajuste sazonal frente a março, de acordo com dados nacionais da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Já na avaliação dos valores acumulados em 12 meses (maio de 2016 até abril de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve desaceleração da…

Movimento do Comércio cai 1,0% em abril, diz Boa Vista SCPC

Dados do varejo apurados pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), apontam que o Movimento do Comércio caiu 1,0% em abril, considerando as informações mensais com ajuste sazonal. Na avaliação acumulada em 12 meses (maio de 2016 até abril de 2017) houve queda de 3,4% frente aos 12 meses antecedentes. Já na…