Ajuste varejista

As mudanças recentes nas alíquotas de tributos federais afetarão de forma significativa o comércio para o próximo ano. A Medida Provisória baixada na última segunda-feira, 31 de agosto, padronizou a taxação sobre o consumo de diversas mercadorias do comércio varejista, entre os quais destacam-se as efetivadas para o setor de supermercados e móveis. Além disso, a MP revogou o chamado “Programa de Inclusão Digital”, o que elevará os custos do setor de materiais para escritório e informática. A mudança faz parte da agenda de ajuste fiscal do governo, com estimativa de arrecadação extra de R$ 11 bilhões para 2016.

No setor de supermercados, os principais itens afetados serão as bebidas alcoólicas. A depender do tipo de bebida, a alíquota do IPI variará entre 10% e 30% do preço do bem. Já a elevação dos tributos, PIS/Pasep e COFINS, repercutirá em um aumento dos preços sobre produtos eletrônicos, até então isentos de tributação, fazendo com que um dos poucos setores que ainda cresce no comércio em 2015, o de materiais para escritório e informática, também seja negativamente afetado no ano que vem.

Para o comércio, as consequências negativas já esperadas pela conjuntura econômica certamente ficarão piores. Até julho deste ano, o percentual de pedidos de falência relativo ao comércio elevou-se 2 p.p. com relação ao ano passado, enquanto os demais setores, indústria e serviços, perderam participação. O número pode parecer pequeno, mas se forem observados os valores por porte empresarial, a realidade de 2015 é bastante contrastante: para pequenas empresas, o percentual de pedidos de falências passou de 25% em 2014 para atuais 27%; as médias empresas tiveram os pedidos reduzidos em 1 p.p. com relação ao ano passado, representando atualmente cerca de 13% entre todos os setores deste porte; as grandes empresas foram as mais afetadas, com falências atingindo 35% entre o total de pedidos, ante um valor extremamente menor observado em 2014, quando atingiu apenas 10% do total.

Para além das dificuldades internas, o ambiente externo também tem sofrido adversidades. O arrefecimento do crescimento chinês e os baixos crescimentos do Novo e Velho Mundo preocupam a própria OMC (Organização Mundial do Comércio), que prevê um dos piores anos de crescimento em 2015, com alta de 2,5% do comércio mundial. Este cenário poderá deteriorar-se ainda mais no ano que vem. A reestruturação para o comércio é, portanto, de natureza global. Talvez seja de bom grado que o varejo doméstico comece a preparar o seu próprio ajuste. 

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…

Volume de serviços recua 1,0% em agosto e 4,5% no acumulado 12 meses

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE, o volume de serviços apresentou queda de 1,0% em agosto contra o mês anterior (dados dessazonalizados). A categoria de serviços prestados às famílias foi a única a apresentar queda (-4,8%), bastante atípica para o mês considerando o histórico da série. Os demais grupos apresentaram crescimento: Serviços…