Aliança do Pacífico avança enquanto Brasil se esforça para manter atratividade

Por Marcel Caparoz, da RC Consultores

Em meio às reuniões da Assembleia Geral da ONU, que estão ocorrendo esta semana em Nova Iorque, a Aliança do Pacífico, bloco econômico criado pelos nossos vizinhos Chile, Peru, Colômbia e México, anunciou o sucesso das negociações para liberalização de cerca de 92% das mercadorias comercializadas entre eles, podendo alcançar o patamar de até 99% no período de 3 a 7 anos, conforme anunciado pelo presidente chileno Sebastián Piñera. Trata-se de um bloco que representa aproximadamente 35% do PIB da América Latina, com grande potencial de crescimento para os próximos anos e que já chama atenção do mercado internacional. O fluxo de investimentos estrangeiros para estes países tem se elevado consideravelmente ao longo dos últimos anos, tendo acumulado somente em 2012 a quantia de US$ 71 bi.

Enquanto isso, na mesma Assembleia Geral da ONU, o Governo brasileiro, liderado pela presidente Dilma Rousseff, tem empenhado todos os seus esforços para garantir à comunidade internacional que o país é um local seguro e repleto de oportunidades para investimentos, com risco jurídico baixo e uma economia sólida e diversificada. Demais ministros do Governo também entraram para o coro, inclusive o ministro da fazenda Guido Mantega, afirmando que o país não hesita nos esforços para assegurar o equilíbrio fiscal e o combate à inflação. Parece não ser a mesma opinião do mercado. Os Investimentos Estrangeiros Diretos no Brasil caíram 7% no acumulado em 12 meses encerrados em agosto 2013, quando comparados ao mesmo período do ano anterior. Além disso, tanto investidores nacionais quanto internacionais têm demonstrando desconfiança na potencialidade da economia brasileira, dado o recente fracasso do leilão das rodovias e da desistência de grandes companhias petrolíferas no processo de concessão do bloco de LIBRA. O Brasil terá que fazer mais do que discursos para recuperar sua imagem e legitimar definitivamente a presença do “B” no termo BRIC’S.

Ed.279

Comentários

comentários

Posts relacionados

Demanda por Crédito do Consumidor cai 4,0% no 1º trimestre, segundo Boa Vista SCPC

Dados nacionais da Boa Vista SCPC apontam que a Demanda por Crédito do Consumidor caiu 4,0% no 1º trimestre de 2017 na comparação com o mesmo período do ano anterior. Já na avaliação dos valores acumulados em 12 meses (abril de 2016 até março de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve retração de 9,3%,…

Percentual de cheques devolvidos atinge 2,29% em março, segundo Boa Vista SCPC

No mesmo mês do ano anterior, o percentual foi de 2,59% 20 de abril 2017 – O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 2,29% em março, registrando diminuição em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando alcançou 2,59%. O que representa menos cheques…

Vendas para a Páscoa cresceram 2,2% em 2017, segundo Boa Vista SCPC

Dados da Boa Vista SCPC mostraram que em 2017 as vendas do comércio para a Páscoa cresceram 2,2% quando comparadas ao mesmo período do ano anterior. Em 2016 as vendas apresentaram queda de 5,8% e em 2015 a retração foi menos intensa (-0,3%). O resultado deste ano é o segundo negativo da série histórica, que…