Alta carga tributária e custo de mão de obra comprometem a produtividade do Brasil

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

Estudo da área de pesquisa da The Economist, a Economist Intelligence Unit, aponta que o Brasil aparecerá na 37ª posição, em 2016, em um ranking de produtividade comparando 82 países. A lista é liderada por Cingapura, Hong Kong e Suíça. O melhor item avaliado é a estabilidade política, que em 2016 deverá deixar o Brasil posicionado em 13ª lugar. Hoje ocupa a 18ª posição. No item infraestrutura o país permanecerá no 52º lugar. No quesito mão de obra, a área de pesquisa projeta que o Brasil avance da 66ª posição em 2012 para 59ª em 2016. Mas é a carga tributária que faz o Brasil ter sua pior colocação; ficará na 76ª posição entre os 82 países pesquisados.

De fato, a tributação excessiva e a complexa estrutura de impostos na mão de obra, no bem de capital, nos insumos, na energia, fazem explodir o custo de produção. Para que o país possa ser mais competitivo é necessário e urgente continuar a desonerar e simplificar o Brasil.

 Ed.43

Comentários

comentários

Posts relacionados

Boa Vista SCPC: inadimplência do consumidor paulistano caiu 4,3% no 1º trimestre

A inadimplência do consumidor na cidade de São Paulo teve queda de 4,3% no acumulado do ano (1º trimestre de 2017 contra o mesmo período do ano passado), de acordo com os dados da Boa Vista SCPC. Na comparação interanual (março-17 contra março-16), a inadimplência retraiu 8,4%. Contra o mês anterior (março-17 contra fevereiro-17) houve…

Demanda por Crédito do Consumidor cai 4,0% no 1º trimestre, segundo Boa Vista SCPC

Dados nacionais da Boa Vista SCPC apontam que a Demanda por Crédito do Consumidor caiu 4,0% no 1º trimestre de 2017 na comparação com o mesmo período do ano anterior. Já na avaliação dos valores acumulados em 12 meses (abril de 2016 até março de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve retração de 9,3%,…

Percentual de cheques devolvidos atinge 2,29% em março, segundo Boa Vista SCPC

No mesmo mês do ano anterior, o percentual foi de 2,59% 20 de abril 2017 – O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 2,29% em março, registrando diminuição em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando alcançou 2,59%. O que representa menos cheques…