Alta carga tributária e custo de mão de obra comprometem a produtividade do Brasil

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

Estudo da área de pesquisa da The Economist, a Economist Intelligence Unit, aponta que o Brasil aparecerá na 37ª posição, em 2016, em um ranking de produtividade comparando 82 países. A lista é liderada por Cingapura, Hong Kong e Suíça. O melhor item avaliado é a estabilidade política, que em 2016 deverá deixar o Brasil posicionado em 13ª lugar. Hoje ocupa a 18ª posição. No item infraestrutura o país permanecerá no 52º lugar. No quesito mão de obra, a área de pesquisa projeta que o Brasil avance da 66ª posição em 2012 para 59ª em 2016. Mas é a carga tributária que faz o Brasil ter sua pior colocação; ficará na 76ª posição entre os 82 países pesquisados.

De fato, a tributação excessiva e a complexa estrutura de impostos na mão de obra, no bem de capital, nos insumos, na energia, fazem explodir o custo de produção. Para que o país possa ser mais competitivo é necessário e urgente continuar a desonerar e simplificar o Brasil.

 Ed.43

Comentários

comentários

Posts relacionados

Boa Vista SCPC reúne especialistas para debater avanços e benefícios econômicos do Cadastro Positivo

A Boa Vista SCPC recebeu autoridades como Oscar Madeddu, do Banco Mundial, João André Pereira, do Banco Central do Brasil e César Calomino, da Equifax do Uruguai, para falar sobre o Cadastro Positivo e os seus impactos econômicos e sociais, inclusive em países em desenvolvimento onde já é uma realidade. Estes convidados também salientaram a…

Recuperação de crédito cai 2,3% no acumulado 12 meses

O indicador de recuperação de crédito – obtido a partir da quantidade de exclusões dos registros de inadimplentes da base da Boa Vista SCPC – apontou queda de 2,3% na variação acumulada em 12 meses (setembro de 2016 até agosto de 2017). A variação mensal com dados dessazonalizados apresentou aumento de 4,5% contra o mês…

Relatório de Crédito – jul/17

O Banco Central do Brasil (BCB) divulgou os dados de crédito referente a julho. A expansão das operações de crédito, até o momento, continua em ritmo moderado. O crescimento do saldo veio levemente abaixo do esperado, com redução na variação anual (caiu 1,6% em junho/17 contra diminuição de 1,7% em jul/17), atingindo R$ 3,1 trilhões,…