Ameaça energética e os impactos na inflação

Por Thiago Custódio Biscuola / Everton Carneiro, da RC Consultores

A inflação medida pelo IPCA registrou em fevereiro alta de 0,69%, segundo dados divulgados pelo IBGE nesta manhã. Em igual mês de 2013 o índice havia registrado elevação de 0,60%. Na variação acumulada nos 12 meses encerrados em fevereiro, o índice apresenta alta de 5,68%, acima dos 5,59% verificado em janeiro. O grupo que teve maior peso foi Educação, devido ao início do ano letivo, com alta no mês de 5,97%, contribuindo com uma variação de 0,27 p.p. (pontos percentuais). Os preços livres estão dentro do limite da meta de inflação pela primeira desde novembro de 2012, com a variação em 12 meses atingindo 6,3%. Os preços monitorados, por seu turno, após fecharem o ano passado na mínima histórica (0,94%), subiram fortemente no começo deste ano, alcançando 3,7% na variação em 12 meses encerrados em fevereiro.

A inflação nos próximos meses deve sofrer pressões diversas. Os alimentos que declinam fortemente desde abril do ano passado devem sofrer alguma pressão altista nos próximos meses. O Índice RC Consultores de preços agrícolas registra em março alta de 5,6% frente a fevereiro, já refletindo os efeitos da seca na expectativa de safra de alguns produtos. A irregularidade das chuvas tem afetado principalmente o preço de hortaliças. A inflação dos serviços tem-se mantido acima dos 8% nos últimos três anos. Já o grupo Habitação poderá ter uma surpresa desagradável. O grupo que no acumulado em 12 meses subiu de 4,2% no mês passado para 7,6% em fevereiro poderá sofrer com um reajuste na tarifa de energia. Distribuidoras que têm sofrido com a falta de chuvas e acionamento de térmicas ameaçam pedir uma revisão tarifária extraordinária a fim de manter o equilíbrio econômico-financeiro previsto em contrato. Desta forma, parte dos custos seria repassado aos consumidores. O Boletim Focus divulgado na última segunda-feira já prevê uma inflação maior para 2014, na média 6,12%. A inflação esperada poderá sofrer novas majorações caso estas ameaças se confirmem.

Ed.379

Comentários

comentários

Posts relacionados

47% dos consumidores inadimplentes estão muito endividados, revela pesquisa da Boa Vista SCPC

O nível de endividamento elevado (muito endividado) atinge 47% dos consumidores inadimplentes, ou seja, que estão com o “nome sujo”, de acordo com a pesquisa nacional Perfil do Consumidor Inadimplente, realizada pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), com cerca de 1.500 respondentes. Em seguida, 26% se dizem mais ou menos endividados,…

Boa Vista SCPC: recuperação de crédito cai 1,1% no semestre

O indicador de recuperação de crédito – obtido a partir da quantidade de exclusões dos registros de inadimplentes da base da Boa Vista SCPC – apontou queda de 1,1% no 1º semestre do ano quando comparado ao mesmo período do ano anterior. Na variação acumulada em 12 meses (julho de 2016 até junho de 2017)…

Inadimplência do consumidor cai 0,8% no 1º semestre, diz Boa Vista SCPC

A inadimplência do consumidor caiu 0,8% no 1º semestre de 2017, na comparação com o 1º semestre de 2016, de acordo com dados nacionais da Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (julho de 2016 até junho de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve retração de 3,1%. Na avaliação mensal dessazonalizada, a…