A âncora do crescimento

Por Yan Cattani, da área de Indicadores e Estudos Econômicos da Boa Vista SCPC

Segundo o Banco Central, o principal indicador coincidente da atividade econômica, o IBC-BR, ficou estável (+0,04%) em novembro frente ao resultado observado em outubro, descontados os efeitos sazonais da série. O resultado ficou ligeiramente acima das projeções do mercado, que esperavam 0,2% de queda. Já na análise de longo prazo, obtida pela comparação do resultado acumulado em 12 meses, observamos a primeira queda no ano, passando de 0,2% para -0,1%.

A tendência de longo prazo perpetua o cenário de debilidade da atividade econômica enfrentado nos últimos dois anos, não apresentando, portanto, nenhuma grande novidade. Em outras palavras, ninguém foi pego de surpresa – exceto talvez pelo excesso de otimismo. Observando o primeiro boletim Focus de 2014 (referente ao dia 3/1/2014) temos em um quadro as expectativas para o PIB de 2014. Tais projeções são calculadas através do cômputo da mediana das projeções das instituições financeiras para o período de referência. À época, o desempenho então esperado para economia era o de uma elevação de 1,9%. Ou seja, esperava-se uma piora, mas não na magnitude que agora já se encontra praticamente consolidada – diferença de 1,9% para praticamente 0%.

A principal âncora do crescimento em 2014 foi o setor industrial. Mesmo com incentivos fiscais e monetários vigentes, o setor não decolou. Acúmulo de estoques no setor automobilístico talvez seja a maior expressão da inércia industrial: as vendas não caminham bem, a força de trabalho passa por reestruturação acumulando sucessivas quedas e o custo com mão de obra ainda é crescente. Para outros subsetores, a dinâmica é parecida, com pouquíssimas exceções. O desajuste com outras áreas da economia é estrutural e não deverá sair destas circunstâncias no curto prazo. Pelo terceiro ano consecutivo, o setor de serviços deverá salvar o desempenho agregado da economia, com contribuição marginal da agricultura.

Comentários

comentários

Posts relacionados

CAGED: Setembro registra sexto saldo positivo consecutivo

Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério do Trabalho, em setembro o saldo de vagas no mercado de trabalho (diferença entre novas contratações e demissões) foi positivo em 34,4 mil postos. Deste modo, a leitura atual contrasta quando comparado ao mesmo período do ano anterior, quando foram encerradas 39,3…

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…