Ânimo momentâneo

Yan Cattani/Flávio Calife

De acordo com a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) do IBGE divulgada hoje, novembro mostrou o segundo resultado mensal consecutivo positivo na análise dos dados com ajuste sazonal. A alta de 1,5% segue após elevação de 0,5% apresentada em outubro e ocorre após um período de 8 observações negativas do indicador.

A notícia seria realmente boa se a tendência dos dados também apresentasse resultados positivos. No entanto, observamos o pior resultado na avaliação acumulada em 12 meses dos últimos 12 anos, quando em novembro de 2003 o indicador apontou queda de 4,6%. Naquele fatídico ano, dezembro ainda conseguiu recuperar de forma inesperada as perdas geradas ao longo de 2003, fazendo com que o resultado anual encerrasse as vendas varejistas com queda de 3,7%.

Sem dúvidas, esse não é o prognóstico esperado para 2015. Até o momento observamos o menor nível médio de atividade varejista em 3 anos. E pior: podemos até mesmo atingir novo piso histórico do indicador, uma vez que as vendas já registram diminuição de 3,5% nos valores acumulados em 12 meses e as vendas de Natal apresentaram o pior resultado desde 2008, -2,8% de acordo com os dados da Boa Vista SCPC.

O resultado é reflexo do quadro negativo observado para todos os condicionantes do consumo. Os juros estão elevados e falta demanda por crédito no mercado, o que afeta diretamente as vendas de bens duráveis (móveis, eletrodomésticos e veículos, por exemplo). A inflação corrói o poder de compra dos consumidores – que já mostram dificuldades de pagar suas contas. Tal detalhe pode ser observado ao verificarmos os resultados obtidos das vendas de alimentos, artigos farmacêuticos e de perfumaria, que apresentaram queda, evidenciando a dificuldade das famílias até de manter o consumo de bens básicos.

O cenário ainda pode piorar: outras variáveis derivadas do mercado de trabalho como desemprego e renda ainda não encerraram seu ciclo de ajustes, fato que poderá complicar ainda mais a vida dos consumidores. Por parte das empresas, o ajuste nas despesas operacionais alimenta um verdadeiro círculo vicioso, diminuindo custos, investimentos e postos de trabalho. A retomada do crescimento no comércio só virá quando a instabilidade econômica der uma trégua, o que não deve ocorrer ainda em 2016.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,90% em julho

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos), como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 1,90% em julho, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,31 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve alta frente ao mês anterior (em junho o…

Número de novas empresas cai 3,8% no 2º trimestre

No 2º trimestre de 2017 o número de novas empresas caiu 3,8% em relação ao trimestre anterior, segundo levantamento da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), com abrangência nacional. Assim, o resultado configura a primeira queda para esse trimestre desde o início da série histórica (2003). Ainda assim, os valores acumulados no…

Vendas para o dia dos pais recuam 0,5% em 2017

As vendas do comércio para o dia dos pais diminuíram 0,5% em 2017 quando comparadas a 2016, segundo dados da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). O recuo das vendas nesta data foi mais fraco do que o observado em 2016, quando o comércio retraiu 5,2% em relação ao mesmo período de…