Só no ano que vem

Sem grandes novidades, a ata divulgada hoje referente à última reunião do Comitê de Política Monetária (COPOM) expôs um cenário mais realista para 2015, contemplando projeções para a inflação crescentes e distantes do centro da meta. Mais especificamente, a inflação categorizada pelos chamados “preços administrados” obteve elevação das projeções em 10,7%, aumentando 1,4 p.p. em relação à última ata. Ainda referente à categoria, dois itens chamaram especial atenção: gasolina e energia elétrica, os mais impactantes da cesta de produtos do IPCA no bimestre. Enquanto para o primeiro item a expectativa foi mantida em 8%, para energia elétrica houve abrupta mudança das projeções, passando de 27,6% apontadas na última reunião para atuais 38,3%.

Apesar de incorporar maior sensatez ao cenário macroeconômico, dadas as perspectivas de ajustes fiscal e monetário, a autoridade monetária não deu maiores detalhes sobre o cumprimento da meta para este ano. Houve pouca ênfase sobre o atual balanço de riscos em que a economia está inserida. Tampouco houve comentários relevantes para o câmbio, um dos itens mais importantes para a onda de pressão inflacionária vigente.

Por mais que a inflação descrita pelo BC neste ano “tenda a permanecer elevada em 2015”, a instituição sinalizou que não pretende realizar novos reajustes da Selic, contendo-se em afirmar que a política monetária ainda possui “efeitos de segunda ordem” decorrentes das elevações anteriores. Adicionalmente, a autoridade monetária conta com um comedimento da demanda, traduzido também em uma expansão moderada do crédito e atividade econômica em território negativo.

Com a reiteração da convergência da inflação para a meta no próximo ano e pela pouca relevância dada ao ano vigente, a sinalização dada ao mercado pelo colegiado, pelo menos do ponto de vista do comportamento dos preços, é a de 2015 será um ano para esquecer.

Comentários

comentários

Posts relacionados

47% dos consumidores inadimplentes estão muito endividados, revela pesquisa da Boa Vista SCPC

O nível de endividamento elevado (muito endividado) atinge 47% dos consumidores inadimplentes, ou seja, que estão com o “nome sujo”, de acordo com a pesquisa nacional Perfil do Consumidor Inadimplente, realizada pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), com cerca de 1.500 respondentes. Em seguida, 26% se dizem mais ou menos endividados,…

Boa Vista SCPC: recuperação de crédito cai 1,1% no semestre

O indicador de recuperação de crédito – obtido a partir da quantidade de exclusões dos registros de inadimplentes da base da Boa Vista SCPC – apontou queda de 1,1% no 1º semestre do ano quando comparado ao mesmo período do ano anterior. Na variação acumulada em 12 meses (julho de 2016 até junho de 2017)…

Inadimplência do consumidor cai 0,8% no 1º semestre, diz Boa Vista SCPC

A inadimplência do consumidor caiu 0,8% no 1º semestre de 2017, na comparação com o 1º semestre de 2016, de acordo com dados nacionais da Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (julho de 2016 até junho de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve retração de 3,1%. Na avaliação mensal dessazonalizada, a…