Antes tarde do que nunca

Por Yan Cattani e Bruna Martins, da área de Indicadores e Estudos Econômicos da Boa Vista SCPC

Amanhã o Banco Central Europeu (BCE) irá divulgar a decisão sobre política monetária para os países pertencentes à Zona do Euro. Apesar de não haver expectativas com relação à mudança de sua taxa de juros (atualmente fixada em 0,05%), o mercado financeiro especula sobre intensificação do programa de afrouxamento quantitativo concentrado na compra de títulos de dívida pública dos países membros.

O receio do BCE é de que a economia entre em uma espiral deflacionária, uma vez que registrou queda de 0,2% ano passado. Seu objetivo principal, portanto, é dar estímulos adicionais para economia, o que por sua vez deverá aproximar os preços da meta de inflação, de 2%. Porém, ao comprar títulos de dívida pública, o BCE corre o risco de eventuais perdas caso um dos países da Zona do Euro entre em default. Há ainda a discussão sobre considerar como fator de exclusão a qualidade dos ratings dos títulos de alguns países, isto é, países como a Grécia – exemplo mais extremo de finanças públicas em estado crítico – podem acabar sendo excluídos do programa. Outros especialistas apontam as dificuldades de realizar a compra de títulos, uma vez que não se sabe exatamente o montante de recursos a ser utilizado, implicações sobre a heterogeneidade dos 19 mercados pertencentes aos blocos, prazos etc. A complexidade é grande e o desafio é cada dia maior.

Independentemente dos detalhes do plausível programa monetário, um fato já é concreto: uma maior oferta monetária deflagrará, necessariamente, uma mudança na taxa de câmbio do euro com outras moedas internacionais, enfraquecendo ainda mais a moeda europeia. Este fato já foi evidenciado pela recente decisão do Banco Central da Suíça, que na semana passada instituiu o câmbio livre entre o franco suíço e o euro. A moeda mais fraca deverá contribuir para um aumento de exportações do bloco europeu como um todo, aumentando em um segundo momento o nível de atividade e consequentemente a inflação. A medida poderia ter sido tomada há dois anos, mas sempre houve receio das economias mais importantes do bloco, capitaneado pela Alemanha. Com o diagnóstico da deflação, ela torna-se inevitável. E como diria o velho ditado popular, antes tarde do que nunca.

Comentários

comentários

Posts relacionados

47% dos consumidores inadimplentes estão muito endividados, revela pesquisa da Boa Vista SCPC

O nível de endividamento elevado (muito endividado) atinge 47% dos consumidores inadimplentes, ou seja, que estão com o “nome sujo”, de acordo com a pesquisa nacional Perfil do Consumidor Inadimplente, realizada pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), com cerca de 1.500 respondentes. Em seguida, 26% se dizem mais ou menos endividados,…

Boa Vista SCPC: recuperação de crédito cai 1,1% no semestre

O indicador de recuperação de crédito – obtido a partir da quantidade de exclusões dos registros de inadimplentes da base da Boa Vista SCPC – apontou queda de 1,1% no 1º semestre do ano quando comparado ao mesmo período do ano anterior. Na variação acumulada em 12 meses (julho de 2016 até junho de 2017)…

Inadimplência do consumidor cai 0,8% no 1º semestre, diz Boa Vista SCPC

A inadimplência do consumidor caiu 0,8% no 1º semestre de 2017, na comparação com o 1º semestre de 2016, de acordo com dados nacionais da Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (julho de 2016 até junho de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve retração de 3,1%. Na avaliação mensal dessazonalizada, a…