Arrefecimento do mercado de trabalho

Por Thiago Custódio Biscuola, da RC Consultores

A taxa de desocupação voltou a cair em outubro, atingindo 5,2%. Este é o menor nível para os meses de outubro desde 2002. Segundo os dados divulgados hoje pelo IBGE, referentes às seis principais regiões metropolitanas, o pessoal ocupado teve modesto incremento frente a setembro (+ 0,37%), enquanto a população economicamente ativa teve avanço ainda menor (+ 0,11%). O rendimento médio real apresentou enfraquecimento, registrando queda de 0,1% frente a setembro. Em relação a igual mês de 2012, tal indicador registrou alta de apenas 1,3%. Por fim, a taxa de formalização da economia estagnou em 55,4%.

De modo geral, estes dados confirmam o arrefecimento do mercado de trabalho. Embora a taxa de desemprego tenha caído, este movimento deverá ser cada vez mais escasso. No passado recente, o crescimento do pessoal ocupado girava em torno de 2% ao ano, enquanto a PEA crescia na faixa de 1,5%, promovendo a contínua redução da taxa de desocupação. Contudo, nos últimos meses houve uma convergência dessas taxas, que ao final de dezembro deste ano ficarão bem próximas a 1% de crescimento. Por conseguinte, o rendimento médio real também registra desaceleração. Este indicador, que registrava em Dezembro de 2012 avanço anual de 4,2%, atingiu em Outubro de 2013 apenas metade disso. Desta forma, a massa real de rendimentos, até então principal fator de empuxo do varejo, deve registrar em 2013 o menor crescimento desde 2003, com alta de apenas 2,6%.

Ed.317

Comentários

comentários