Banco Central espera inflação elevada nos próximos anos

Por Marcel Caparoz, da RC Consultores

O Banco Central divulgou hoje o relatório trimestral de inflação, confirmando a expectativa de persistência da inflação na economia. Para este ano, a expectativa do banco para o IPCA subiu para 6,1%, ante 5,6% no relatório anterior. Para 2015 e 2016, projetam-se altas de 5,5% e 5,4%, respectivamente, acima do centro da meta de 4,5%. Segundo o relatório, esta persistência da inflação corrente reflete, em parte, a dinâmica dos preços no segmento de serviços, que permanecem pressionados no patamar médio de 8,5% ao ano.

Este cenário de persistência das expectativas de inflação acima do centro da meta para os próximos anos é preocupante. E o comitê do Copom demonstra estar ciente do problema, afirmando que “tendo em vista os danos que a persistência desse processo causaria à tomada de decisões sobre consumo e investimentos, na visão do Comitê, faz-se necessário que, com a devida tempestividade, o mesmo seja revertido”. No mercado de fatores, o Copom pondera que um risco importante para a inflação advém do mercado de trabalho, que mostra margem estreita de ociosidade, resultando em elevação dos salários reais acima da produtividade. Segundo dados divulgados hoje pelo IBGE, a taxa de desemprego alcançou o menor patamar para os meses de fevereiro (5,1%). As expectativas futuras para a inflação estão sendo influenciadas pelas incertezas que cercam os preços administrados, como o da gasolina e os de alguns serviços públicos, como eletricidade e transporte público, que deverão sofrer reajustes ao longo de 2014 e 2015. A questão agora é saber como o governo irá manejar essas altas dos preços administrado em pleno período eleitoral e de alto questionamento público.

Ed.388

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…

Volume de serviços recua 1,0% em agosto e 4,5% no acumulado 12 meses

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE, o volume de serviços apresentou queda de 1,0% em agosto contra o mês anterior (dados dessazonalizados). A categoria de serviços prestados às famílias foi a única a apresentar queda (-4,8%), bastante atípica para o mês considerando o histórico da série. Os demais grupos apresentaram crescimento: Serviços…