BC de mãos atadas

Por Yan Cattani, da área de Indicadores e Estudos Econômicos da Boa Vista SCPC

A divulgação do IPCA na semana passada causou grande revisão por parte do mercado financeiro com relação às expectativas de inflação para este ano, conforme nos mostrou a pesquisa Focus do Banco Central (BC). A inflação de janeiro obteve variação de 1,24%, e apesar de já possuir sazonalidade desfavorável no mês (gastos escolares, viagens e habitação), os reajustes das categorias dos chamados “preços administrados” – em especial para tarifas de ônibus, combustíveis e energia elétrica – impactaram mais fortemente o índice agregado. Com este resultado, o Focus de hoje (relativo à primeira semana de fevereiro) captou o resultado negativo, demonstrando maior pessimismo através do aumento das projeções para o IPCA de 2015 em 0,14 p.p., atingindo 7,15%. O estouro do teto da meta de inflação já é dada como certo. Mas afinal, o BC nada pode fazer para amenizar a situação?

A resposta é: infelizmente nada. A dinâmica da inflação atual é resultante de um desajuste verificado pelo lado da oferta no mercado de bens e serviços da economia, que através do aumento das tarifas dos bens administrados, eleva a margem das empresas, mas consequentemente, os custos para os consumidores. O BC nesta situação nada pode fazer: a instituição atua impactando os agentes que procuram moeda (crédito), sendo eficaz, portanto, para sanar distúrbios ocorridos pelo lado da demanda econômica, como quando há excesso de consumo.

Em 2010, quando houve os primeiros diagnósticos de um descompasso entre o consumo e o resto das atividades econômicas, pouco foi feito pela autoridade monetária. Repetidamente em 2011. Nos anos seguintes, a elevação da Selic ou ocorreu de maneira defasada ou com pouca austeridade na escalada dos juros; não se almejava a meta, e sim o limite superior da meta. Agora o desajuste provocado pelo congelamento de preços no passado começa a cobrar seu preço. E o BC, infelizmente, de mãos atadas, nada pode fazer. Um aumento de juros neste momento somente agravaria a já debilitada atividade econômica. Resta-nos somente esperar.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Boa Vista SCPC: inadimplência do consumidor paulistano caiu 4,3% no 1º trimestre

A inadimplência do consumidor na cidade de São Paulo teve queda de 4,3% no acumulado do ano (1º trimestre de 2017 contra o mesmo período do ano passado), de acordo com os dados da Boa Vista SCPC. Na comparação interanual (março-17 contra março-16), a inadimplência retraiu 8,4%. Contra o mês anterior (março-17 contra fevereiro-17) houve…

Demanda por Crédito do Consumidor cai 4,0% no 1º trimestre, segundo Boa Vista SCPC

Dados nacionais da Boa Vista SCPC apontam que a Demanda por Crédito do Consumidor caiu 4,0% no 1º trimestre de 2017 na comparação com o mesmo período do ano anterior. Já na avaliação dos valores acumulados em 12 meses (abril de 2016 até março de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve retração de 9,3%,…

Percentual de cheques devolvidos atinge 2,29% em março, segundo Boa Vista SCPC

No mesmo mês do ano anterior, o percentual foi de 2,59% 20 de abril 2017 – O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 2,29% em março, registrando diminuição em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando alcançou 2,59%. O que representa menos cheques…