BC encerra ciclo atual de alta de juros

Por Marcel Caparoz, da RC Consultores

Como já era esperado pelo mercado, o BC decidiu, por unanimidade na noite de ontem, a manutenção da taxa básica de juros no patamar de 11% a.a., encerrado o atual ciclo de alta que teve início há praticamente um ano atrás, com a alta de 0,25% da taxa na reunião de Abril de 2013, para um nível de 7,5% a.a. A decisão do BC, conforme comunicado, foi fundamentada pela “evolução do cenário macroeconômico e as perspectivas para a inflação”.

Após um período de juros baixos na casa de 7,25% a.a., viabilizado pelo represamento dos preços monitorados pelo governo, o Brasil voltou a amargar a triste realidade das taxas de dois dígitos. O combate à inflação, que em abril do ano passado estava em 6,5% a.a., exigiu uma ação contundente do BC. E ela veio. Mas o efeito atual da política monetária sobre os preços pode ter se esgotado. A inflação de serviços, que tem se mantido no patamar de 8,5% a.a. nos últimos anos, tem muito mais relação com as condições do mercado de trabalho do que com o nível da taxa de juros. Além disso, os preços dos alimentos, que representam cerca de 25% do peso da inflação, não são determinados pelo custo de crédito, mas sim pelas condições de oferta e demanda do mercado. Assim, resta ao BC controlar de maneira indireta a inflação dos Bens, sejam eles duráveis ou não, dado a alta influência destes com a taxa de juros. Em abril de 2014, a inflação acumulada em 12 meses foi de 6,3%. Já a inflação dos preços monitorados, que chegou à incrível marca de 0,94% a.a. em novembro de 2013, alcançou em abril de 2014 patamar de 3,8% a.a. A pressão pelo reajuste destes preços represados pelo Governo é cada vez maior (ônibus urbano, gasolina, energia elétrica, etc.). Esta pressão inflacionária não está sob controle do BC.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Fazer parte do Cadastro Positivo passa a ser fundamental para o consumidor, afirma Boa Vista SCPC

Se por um lado a aprovação da Medida Provisória que tornará automática a adesão dos consumidores brasileiros ao banco de dados de bons pagadores, em virtude da alteração na Lei 12.414/2011 está, por tempo indeterminado, pendente em Brasília, por outro, passa a ser cada vez mais contundente a responsabilidade de o consumidor conhecer e entender…

Percentual de cheques devolvidos atinge 2,11% em maio, segundo Boa Vista SCPC

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 2,11% em maio, registrando uma diminuição em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando alcançou 2,33%. Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve aumento (em abril o nível foi de…

Movimento do Comércio sobe 2,7% em maio, diz Boa Vista SCPC

Informações do varejo apuradas pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito) apontam que o Movimento do Comércio subiu 2,7% em maio, considerando os dados mensais com ajuste sazonal. Na avaliação acumulada em 12 meses (junho de 2016 até maio de 2017 frente ao mesmo período do ano anterior) houve queda de 3,0%…