BC mantém juro e sinaliza alta

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

O Banco Central manteve os juros em 7,25% ao ano pela terceira vez consecutiva, mas indicou que poderá elevar a taxa a partir da próxima reunião. Em comunicado, o BC destacou que “irá acompanhar a evolução do cenário macroeconômico até a próxima reunião, para então definir os próximos passos na estratégia de política monetária”.  Até então, o BC vinha reiterando nos comunicados que a “manutenção dos juros por um período de tempo suficientemente prolongado” era a estratégia mais adequada para garantir a convergência da inflação para a meta. A manutenção dos juros nessa reunião já era esperada. A substituição da expressão “suficientemente prolongado” por “acompanhar a evolução macroeconômica para então definir a estratégia monetária” foi entendida pelo mercado como indicação de que está aberta a possibilidade de aumento da taxa. Os contratos futuros de juros já indicam isso.  O vencimento em janeiro de 2014 abriu hoje a 7,77% contra 7,66% no fechamento de ontem.

O BC tem fundamentado as decisões em três fatores: o crescimento, o inflacionário e o político. O crescimento da economia este ano ainda não está consolidado, alguns sinais de retomada podem ser prejudicados com a elevação de juros. Existe uma pressão inflacionária, sobretudo em serviços, mas a safra agrícola pode suavizar essa pressão. A redução da taxa de juros é um pilar político do atual governo, que tudo fará para que os juros não aumentem. Embora a postura em relação à política monetária tenha sido modificada, a alta nos juros, se houver, pode ainda demorar

Ed.138

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…

Volume de serviços recua 1,0% em agosto e 4,5% no acumulado 12 meses

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE, o volume de serviços apresentou queda de 1,0% em agosto contra o mês anterior (dados dessazonalizados). A categoria de serviços prestados às famílias foi a única a apresentar queda (-4,8%), bastante atípica para o mês considerando o histórico da série. Os demais grupos apresentaram crescimento: Serviços…