Bernanke nega interrupção da política monetária frouxa

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

Em depoimento no Congresso americano ontem, o presidente do FED, Ben Bernanke, negou cogitar de interromper o ciclo de compras maciças de papéis no mercado. Desde que anunciou o QE 3, como é conhecido a mega emissão de dólares, mediante compras mensais ininterruptas de US$85 bilhões, o FED vem aumentando seu balanço em ativos comprados, especialmente títulos longos, cujo resultado será manter os juros americanos artificialmente muito baixos durante 2013 pelo menos.

Bernanke disse que o FED faz a conta dos custos, em termos de riscos maiores de uma nova onda de especulação financeira produzida por juros baixos demais, contra a suposta vantagem ou benefício de estar mantendo a economia americana fora da recessão, ainda que morna ou quase fria. Como a inflação em dólar não dá ainda sinais de acordar, a política de afrouxamento maciço vai continuar. Resultado para o Brasil de um dólar mais fraco: 1) real com tendência a não desvalorizar além de R$2,00, 2) juros no Brasil ainda estáveis em 7,25%, 3) commodities com preços menos fracos e exportações industriais menos negativas. Enfim, o show do balão mágico, insuflado por emissões fabulosas de dólares, não terminou. Bernanke ainda quer brincar.

Ed.132

Comentários

comentários

Posts relacionados

CAGED: Setembro registra sexto saldo positivo consecutivo

Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério do Trabalho, em setembro o saldo de vagas no mercado de trabalho (diferença entre novas contratações e demissões) foi positivo em 34,4 mil postos. Deste modo, a leitura atual contrasta quando comparado ao mesmo período do ano anterior, quando foram encerradas 39,3…

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…