Bolsas americanas continuam em alta

Por José Valter Martins de Almeida

As reiteradas declarações de Bernanke de amenizar a interpretação de que o FED suspenderia as injeções de recursos no curto prazo, que inundam os mercados de dinheiro, tem sustentado as bolsas americanas em euforia. O Dow Jones está na casa dos 15.500 pontos.

No entanto, o medo de uma subida forte na taxa de juros nos EUA é um “fantasma” sempre presente. Ainda ontem, o presidente do FED de Dallas, Richard Fischer, declarou que “quanto mais mantivermos a política monetária expansionista, mais difícil será encontrar uma saída depois”. A justificativa para manter essa expansão monetária é que a recuperação da economia americana está “longe de ser satisfatória”, segundo Bernanke. E o medo do “fantasma” se justifica. Vivemos em um mundo da bolha monetária: quanto pior a situação, maior a possibilidade das autoridades monetárias injetarem muito dinheiro, que migram direto para os mercados especulativos. Assim funciona a economia das bolhas.

Ed.245

Comentários

comentários

Posts relacionados

Inadimplência das empresas inicia 2017 com queda de 0,3%, diz a Boa Vista SCPC

A inadimplência das empresas em todo o país caiu 0,3% no 1º trimestre de 2017 quando comparada ao mesmo trimestre do ano anterior, de acordo com dados da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Depois de três anos consecutivos de alta do indicador na comparação interanual (1º tri de 2017 contra o…

Boa Vista SCPC: inadimplência do consumidor paulistano caiu 4,3% no 1º trimestre

A inadimplência do consumidor na cidade de São Paulo teve queda de 4,3% no acumulado do ano (1º trimestre de 2017 contra o mesmo período do ano passado), de acordo com os dados da Boa Vista SCPC. Na comparação interanual (março-17 contra março-16), a inadimplência retraiu 8,4%. Contra o mês anterior (março-17 contra fevereiro-17) houve…

Demanda por Crédito do Consumidor cai 4,0% no 1º trimestre, segundo Boa Vista SCPC

Dados nacionais da Boa Vista SCPC apontam que a Demanda por Crédito do Consumidor caiu 4,0% no 1º trimestre de 2017 na comparação com o mesmo período do ano anterior. Já na avaliação dos valores acumulados em 12 meses (abril de 2016 até março de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve retração de 9,3%,…