Brasil protesta no FMI contra nova ajuda à Grécia

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

Algo inusitado ocorreu na última reunião de quotistas do FMI. O delegado brasileiro, reconhecido economista Paulo Nogueira Batista Jr., ex-FGV, hoje também representando outra dezena de países das Américas do Sul e Central, usou da palavra para protestar CONTRA a nova ajuda financeira projetada para a Grécia, da ordem de 4,4 bi de euros em 2014. No momento, o programa conjunto CE-FMI de ajuda à Grécia ascende a 172 bi euros e representará um compromisso de dívida em 2013 da ordem de 176% do PIB grego. Este é justamente o ponto levantado por Nogueira Batista. O FMI despendeu em nome dos seus sócios uma quantia astronômica para obter um resultado pífio. A economia grega não dá sinais de sair do atoleiro. Todos os indicadores relativos a PIB só irão piorar, tornando ainda mais improvável a rolagem da dívida atual. O que implicará nova distribuição de perdas entre os credores.

Nogueira protesta contra colocar mais dinheiro bom em cima de dívida duvidosa. Está correto. A questão é política e envolve o uso de recursos mundiais para rolar dívidas de “primeiro mundo”. O recado para quem faz cenários de 2014 está no ar: não esperar por qualquer melhora rápida das condições financeiras dos habituais endividados, ai incluídos Portugal, Espanha e Itália. A China, por seu turno, pode provocar também ruídos. Esta seria a razão pela qual o FED persiste nas compras bilionárias de títulos, estendendo o QE3 em QE 4, aliás QE Four, de “forever”, como apontam os críticos. O Brasil, agora credor líquido no FMI, não quer ajudar a pagar mais contas penduradas. Quem diria, o governo do PT, um dia, negando socorro a um país “carente” da Eurozona.

Ed.238

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…

Volume de serviços recua 1,0% em agosto e 4,5% no acumulado 12 meses

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE, o volume de serviços apresentou queda de 1,0% em agosto contra o mês anterior (dados dessazonalizados). A categoria de serviços prestados às famílias foi a única a apresentar queda (-4,8%), bastante atípica para o mês considerando o histórico da série. Os demais grupos apresentaram crescimento: Serviços…