Câmbio competitivo para a indústria é inviável

Por Marcel Caparoz e Everton Carneiro, da RC Consultores

Estudo realizado pela RC Consultores indica que a taxa de câmbio competitiva para a indústria estaria em torno de R$/US$ 2,60. A análise levou em consideração o aumento nominal dos salários na indústria paulista, medido pela FIESP (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), que aumenta os custos do setor, e a taxa de câmbio necessária para contrabalancear essa perda de competitividade. No entanto, na atual conjuntura, parece inviável que essa taxa seja atingida neste ano. Ontem o dólar PTAX foi negociado a R$ 2,28.

A elevada taxa de juros no Brasil atrai grandes somas de capital externo, principalmente sob a forma de Investimentos em Carteira, com a compra de títulos públicos. Além disso, os Investimentos Estrangeiros Diretos (IED) continuam com forte saldo positivo. Esta entrada maciça de dólares contribui para manter o Real apreciado. Outro ponto é a inflação. A moeda mais depreciada encareceria as importações, que inclui consumo e insumos utilizados por alguns setores da economia, contribuindo para elevar ainda mais a inflação, que atualmente já está em 6,52% no acumulado em 12 meses, acima do teto da meta. Apesar da volatilidade e desvalorização do Real nos últimos dias, a RC Consultores projeta taxa de câmbio de R$ 2,35 no final deste ano.

Comentários

comentários

Posts relacionados

CAGED: Setembro registra sexto saldo positivo consecutivo

Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério do Trabalho, em setembro o saldo de vagas no mercado de trabalho (diferença entre novas contratações e demissões) foi positivo em 34,4 mil postos. Deste modo, a leitura atual contrasta quando comparado ao mesmo período do ano anterior, quando foram encerradas 39,3…

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…