Carga tributária tem a maior alta em 10 anos e chega a 35,3% do PIB

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

De acordo com levantamento da Secretaria de Política Econômica do Ministério da Fazenda, entre 2002 e 2011, a carga tributária no Brasil passou do equivalente a 32,5% do PIB para 35,3%, totalizando R$ 1,4 trilhão.  As transferências para previdência e assistência social e subsídios cresceram nesse período de 14,1% do PIB para 15,1%. Como resultado, a carga tributária líquida subiu 1,78 ponto percentual, passando de 18,4% para 20,2%.

Por mais que o governo queira explicar que a carga tributária bateu novo recorde em função da expansão econômica, é inegável que o sistema tributário brasileiro é oneroso, complexo e burocrático. O Estado brasileiro tem uma das mais altas cargas tributárias do mundo. É a maior da América Latina e dos Brics. Continuamos insistindo que para o Brasil ser mais competitivo na economia global é urgente e necessário medidas de realinhamentos, como a reforma  tributária.

Ed.80

Comentários

comentários

Posts relacionados

Número de novas empresas cai 3,8% no 2º trimestre

No 2º trimestre de 2017 o número de novas empresas caiu 3,8% em relação ao trimestre anterior, segundo levantamento da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), com abrangência nacional. Assim, o resultado configura a primeira queda para esse trimestre desde o início da série histórica (2003). Ainda assim, os valores acumulados no…

Vendas para o dia dos pais recuam 0,5% em 2017

As vendas do comércio para o dia dos pais diminuíram 0,5% em 2017 quando comparadas a 2016, segundo dados da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). O recuo das vendas nesta data foi mais fraco do que o observado em 2016, quando o comércio retraiu 5,2% em relação ao mesmo período de…

Recuperação de crédito cai 1,7% no acumulado 12 meses

O indicador de recuperação de crédito – obtido a partir da quantidade de exclusões dos registros de inadimplentes da base da Boa Vista SCPC – apontou queda de 1,7% na variação acumulada em 12 meses (agosto de 2016 até julho de 2017). A variação mensal com dados dessazonalizados apresentou queda de 6,4% contra o mês…