Carga tributária tem a maior alta em 10 anos e chega a 35,3% do PIB

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

De acordo com levantamento da Secretaria de Política Econômica do Ministério da Fazenda, entre 2002 e 2011, a carga tributária no Brasil passou do equivalente a 32,5% do PIB para 35,3%, totalizando R$ 1,4 trilhão.  As transferências para previdência e assistência social e subsídios cresceram nesse período de 14,1% do PIB para 15,1%. Como resultado, a carga tributária líquida subiu 1,78 ponto percentual, passando de 18,4% para 20,2%.

Por mais que o governo queira explicar que a carga tributária bateu novo recorde em função da expansão econômica, é inegável que o sistema tributário brasileiro é oneroso, complexo e burocrático. O Estado brasileiro tem uma das mais altas cargas tributárias do mundo. É a maior da América Latina e dos Brics. Continuamos insistindo que para o Brasil ser mais competitivo na economia global é urgente e necessário medidas de realinhamentos, como a reforma  tributária.

Ed.80

Comentários

comentários

Posts relacionados

CAGED: Setembro registra sexto saldo positivo consecutivo

Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério do Trabalho, em setembro o saldo de vagas no mercado de trabalho (diferença entre novas contratações e demissões) foi positivo em 34,4 mil postos. Deste modo, a leitura atual contrasta quando comparado ao mesmo período do ano anterior, quando foram encerradas 39,3…

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…