Comércio varejista reflete desaquecimento da demanda

O cenário de retração do varejo tem surpreendido os analistas. As expectativas de crescimento do setor não eram nada satisfatórias no início do ano, mas ainda eram positivas. A maioria das projeções ficava entre 0,5% e 2% de crescimento para o ano de 2015.

Mas na medida em que os números do setor foram sendo divulgados e os demais indicadores da economia foram piorando, expectativas de resultados positivos para o comércio varejista ficaram cada vez mais distantes. Não só os números do mercado de trabalho trouxeram preocupações para o comércio, mas a continuidade do aumento dos juros e a persistência da elevada inflação mantiveram baixa a confiança dos consumidores, que se retraíram ainda mais nesse início de ano. E o consumo das famílias – que recuou 1,5% no primeiro trimestre contra o mesmo período do ano anterior – deve também continuar com sua trajetória de queda no segundo trimestre.

Dados de hoje da Pesquisa Mensal do Comércio, divulgada pelo IBGE, mostram que o volume de vendas no varejo restrito recuou 0,9% entre abril e maio, quarta queda consecutiva do índice. O Indicador Boa Vista SCPC de Movimento do Comércio já antecipava essa tendência ao reportar queda do movimento de maio em 1,8% e recuo no acumulado do ano de 1,3%.

Ainda assim, o indicador do IBGE apresenta outras importantes avaliações. Em 12 meses o comércio está recuando 0,5%, primeiro resultado negativo desde março de 2004 para este tipo de comparação. Os demais resultados apurados para o mês também fecharam em patamar negativo: no acumulado do ano houve recuo de 2,0% contra o mesmo período do ano passado. Se contarmos o varejo ampliado, que inclui Veículos e Materiais de Construção, o recuo chega a 5% em 12 meses e 7% no acumulado do ano.

Até agora não há sinais de que o cenário se modificará este ano e expectativas de melhora são esperados apenas para 2016. Por ora, nossa projeção de retração do setor fica em 1,0% nas vendas varejistas restritas e queda de 5,0% para o conceito ampliado, ambas perspectivas com viés de baixa.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Número de novas empresas cai 3,8% no 2º trimestre

No 2º trimestre de 2017 o número de novas empresas caiu 3,8% em relação ao trimestre anterior, segundo levantamento da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), com abrangência nacional. Assim, o resultado configura a primeira queda para esse trimestre desde o início da série histórica (2003). Ainda assim, os valores acumulados no…

Vendas para o dia dos pais recuam 0,5% em 2017

As vendas do comércio para o dia dos pais diminuíram 0,5% em 2017 quando comparadas a 2016, segundo dados da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). O recuo das vendas nesta data foi mais fraco do que o observado em 2016, quando o comércio retraiu 5,2% em relação ao mesmo período de…

Recuperação de crédito cai 1,7% no acumulado 12 meses

O indicador de recuperação de crédito – obtido a partir da quantidade de exclusões dos registros de inadimplentes da base da Boa Vista SCPC – apontou queda de 1,7% na variação acumulada em 12 meses (agosto de 2016 até julho de 2017). A variação mensal com dados dessazonalizados apresentou queda de 6,4% contra o mês…