Condições desfavoráveis

O consumidor já tinha percebido a crise da porta de casa para fora. Agora o problema está da porta de casa para dentro. Que o cenário macroeconômico não está bem e que sua recuperação não é esperada no curto prazo, não é novidade. A surpresa é que há um fator adicional para se preocupar: o orçamento doméstico começou a mostrar sinais de deterioração.

A pesquisa trimestral do Perfil do Inadimplente, divulgada hoje pela Boa Vista SCPC, apresentou mudanças relevantes nas condições de pagamento e endividamento dos consumidores que possuem contas em atraso.

Segundo os resultados da pesquisa referente ao 1º trimestre de 2015, o percentual de inadimplentes com condições de pagar totalmente suas dívidas recuou consideravelmente ante o trimestre anterior (de 84% para 76%), em contrapartida, aumentou a parcela dos respondentes que não pagará suas contas à vista (de 58% para 65%). Em relação à percepção dos entrevistados sobre o nível de endividamento em que se encontram, o percentual de inadimplentes pouco endividados diminuiu 12 p.p., ficando em 30%. E o comprometimento da renda seguiu a mesma tendência, a parcela com até 25% da renda comprometida recuou, de 47% para 32%.

Se a desaceleração do crescimento do saldo do crédito deve-se também a maior cautela dos consumidores, o que aconteceu durante o 1º trimestre desse ano para mudar as finanças pessoais? O aumento persistente da inflação, o encarecimento dos empréstimos, a elevação dos impostos e o desaquecimento do mercado de trabalho reduziram o poder de compra não só do inadimplente, mas de todos os consumidores. A desconfiança (ou falta de confiança) já está se refletindo em piora concreta das finanças pessoais.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…

Volume de serviços recua 1,0% em agosto e 4,5% no acumulado 12 meses

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE, o volume de serviços apresentou queda de 1,0% em agosto contra o mês anterior (dados dessazonalizados). A categoria de serviços prestados às famílias foi a única a apresentar queda (-4,8%), bastante atípica para o mês considerando o histórico da série. Os demais grupos apresentaram crescimento: Serviços…