Confisco de depósitos em Chipre assusta Eurozona

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

Neste fim de semana, o governo de Chipre concordou em decretar um confisco de 9,9% sobre todos os depósitos bancários nas instituições cipriotas em valor superior a 100.000 euros. Os demais também pagarão, embora com uma alíquota menor, de 6,75%. O caráter de confisco foi “aliviado” pela entrega aos “contribuintes” de ações dos bancos cipriotas onde seus recursos estão depositados. Com isso, as autoridades locais, do FMI e do BCE que participaram da decisão encontram razão para supor que não haverá saques vultosos pelos prejudicados. Chipre é uma pequena nação participante da Comunidade Europeia, altamente endividada, que não tinha mais como rolar a dívida pública. A Troika aprovou então um socorro de €10 bilhões aos bancos e ao país, que se soma ao confisco no valor estimado de €7 bilhões.

A notícia é familiar aos brasileiros com mais de 30 anos. Lembra o confisco da poupança, com bloqueio de saques no anúncio do Plano Collor. Na ocasião, advertimos logo sobre o alto risco de insucesso da medida. De fato, era uma política natimorta. Mas o confisco em Chipre assume contornos mais graves, embora em uma economia muito pequena. Pode minar a confiança, já meio abalada, dos depositantes em euros em outros países do bloco. O que poderá supor um depositante espanhol, italiano ou português? As próximas semanas o dirão. Em contraste, as bolsas americanas seguem embaladas por uma perspectiva de que 2013 é o primeiro ano da recuperação efetiva daquele país e que isso puxará o resto do mundo. São duas visões bem opostas caminhando em paralelo.

Ed.145

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…

Volume de serviços recua 1,0% em agosto e 4,5% no acumulado 12 meses

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE, o volume de serviços apresentou queda de 1,0% em agosto contra o mês anterior (dados dessazonalizados). A categoria de serviços prestados às famílias foi a única a apresentar queda (-4,8%), bastante atípica para o mês considerando o histórico da série. Os demais grupos apresentaram crescimento: Serviços…