Consumo inercial

 

Por Yan Cattani

Que o consumo não anda bem, o resultado do PIB divulgado no início do mês já havia nos alertado. Essa variável, talvez a principal para compreensão da atual crise econômica, teve em apenas um ano sua dinâmica completamente alterada e passou de um resultado positivo para outro péssimo. O significado é simples: menos compras, menos oferta de bens e serviços, menos renda.

Neste patamar, o consumo pode também ser considerado “inercial”. De acordo com a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), a intenção de consumo das famílias caiu 1,6% em março, na comparação direta com fevereiro. O nível do indicador encontra-se abaixo de seu nível de otimismo (100 pontos-base, p.b.), marcando 77,5 pontos em uma escala que varia de 0 a 200. Com isso, 59,2% das famílias afirmaram estar com um nível de consumo menor que no mesmo período do ano passado. Além disso, outro item que chama atenção no relatório é a drástica redução das compras a prazo: com relação a março de 2015, a queda foi de 35,5%.

Tais dados confirmam a tendência apresentada hoje pelo indicador da Boa Vista SCPC de Demanda por Crédito do Consumidor. Até fevereiro, a variação acumulada em 12 meses manteve sua tendência negativa, com queda de 6,2%. Mantida a base de comparação, considerando os segmentos que compõe o indicador, as instituições financeiras apresentaram queda de 7,1%, enquanto nos segmento não-financeiro (utilities, telecom e varejo) caiu 5,7%. Fatores como a alta das taxas de juros, inflação elevada e piora do mercado de trabalho são apenas algumas das variáveis condicionantes desse resultado, que acabaram obrigando o consumidor a ser mais cauteloso e consequentemente comedir seu consumo.

A parcial evolução dos indicadores de confiança na economia nos últimos meses demonstra não uma significativa melhora das condições econômicas atuais ou de perspectiva, mas sim a de um consumidor que não consegue mais diferenciar uma perspectiva ruim de outra pior. Por esse e outros motivos, o consumo mostra-se completamente estagnado, devendo assim permanecer pelos próximos 2 trimestres.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Boa Vista SCPC: Demanda por Crédito do Consumidor sobe 1,4% em janeiro

Contudo, na avaliação dos valores acumulados em 12 meses houve queda de 9,2% A Demanda por Crédito do Consumidor, de acordo com dados nacionais da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), aumentou 1,4% em janeiro, na avaliação dessazonalizada contra dezembro. Porém, na avaliação dos valores acumulados em 12 meses (fevereiro de 2016…

Boa Vista SCPC: recuperação de crédito sobe 3,0% em janeiro

O indicador de recuperação de crédito – obtido a partir da quantidade de exclusões dos registros de inadimplentes da base do crédito– apontou elevação de 3,0% na análise mensal contra dezembro, descontados os efeitos sazonais. Já na variação acumulada em 12 meses apresentou alta de 2,7%, enquanto na análise interanual (mesmo mês de 2016) houve…

81% dos consumidores esperam que em 2017 a relação entre recebimento e gastos melhore, segundo Boa Vista SCPC

A maioria dos entrevistados (81%) na Pesquisa Perfil do Inadimplente, da Boa Vista SCPC, espera que em 2017 a relação entre recebimentos e gastos esteja melhor do que a existente no 4º trimestre de 2016, período no qual o levantamento foi elaborado contendo a participação de consumidores de todo o país. Em dezembro de 2015,…