Continuamos gastando por conta do futuro

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

A arrecadação tributária atingiu R$ 98,7 bilhões em abril, registrando uma queda real de 0,34% em relação ao 1º quadrimestre de 2012.  Estima-se que a receita tributária comece a se recuperar a partir deste trimestre. Essa recuperação, no entanto, não será suficiente para cumprir a meta fiscal desse ano, prevista em R$ 155,9 bilhões.  Para ajudar a atingir essa meta o governo anunciou um contingenciamento de despesas do Orçamento da ordem de R$ 27 bilhões. Esse número é menor do que nos dois primeiros anos do governo Dilma, quando foram cortados valores próximos a R$ 50 bilhões em cada ano.

Despesas correntes crescendo acima do PIB.  Essa é a principal causa para não atingirmos o equilíbrio fiscal. O regime de meta fiscal formal faz o governo adotar uma “criatividade contábil” para continuar gastando. Ontem foi anunciado que o Tesouro Nacional poderá antecipar US$ 15 bilhões que tem a receber da usina de Itaipu até o ano de 2023. Na prática cria-se mais uma hipoteca sobre a arrecadação dos próximos dois mandatos presidenciais.

Ed.190

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 0,5% em julho

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 0,5% em julho quando comparado a junho na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação acumulada em 12 meses (agosto de 2016…

Percentual de cheques devolvidos atinge 1,90% em julho

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos), como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 1,90% em julho, registrando considerável redução em relação ao mesmo mês do ano anterior (-0,31 p.p.). Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve alta frente ao mês anterior (em junho o…

PNAD: Rendimentos apresentam leve melhora no 2T17

De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad), os rendimentos reais dos trabalhadores apresentaram melhora em todas as regiões quando avaliadas os valores acumulados em 4 trimestres. A Região Nordeste registrou a primeira marcação positiva (1,6%), ao lado da região Sudeste (0,1%) e Centro Oeste (0,8%). Em relação ao mesmo período…