Controle da inflação requer novas estratégias

Por Marcel Caparoz / Everton Carneiro, da RC Consultores

O IPCA-15 divulgado hoje pelo IBGE registrou alta de 0,57% em novembro. No ano, a alta já é de 5,06%, valor praticamente idêntico ao mesmo período do ano passado, quando o acumulado até novembro registrava 5,05%. A inflação deste ano será muito semelhante à de 2012, quando o IPCA fechou em 5,84%. Alimentos e Serviços permanecem pressionando a inflação, com variação acumulada em 12 meses de 8,93% e 8,73%, respectivamente.

Um olhar mais atento aos números, no entanto, revela diferenças substanciais entre os dois períodos. Em 2012, os preços livres registraram alta de 6,55%, enquanto os monitorados 3,67%, uma diferença de 2,88 pontos percentuais. Segundo os dados mais recentes do IPCA-15, os preços livres atingiram alta de 7,31% no acumulado em 12 meses, enquanto os monitorados registraram sua mínima histórica, de 0,94%, ampliando a diferença entre os dois valores para 6,37 pontos percentuais. Os recentes embates em torno do reajuste do preço da gasolina refletem este posicionamento por parte do governo em controlar indiretamente a inflação. Tudo indica que esta estratégia já se esgotou. Uma pressão pelo aumento dos preços monitorados deverá ocorrer ao longo de 2014, ainda que abaixo da média da inflação. Some-se ainda a realização da Copa do Mundo, que impulsionará ainda mais os preços dos serviços, como hotéis e passagens aéreas. Uma combinação desfavorável de fatores, como uma nova pressão sobre os preços dos alimentos, poderá levar a inflação no próximo ano acima das estimativas do governo.

Ed.316

Comentários

comentários