Corte de gastos “é outra conversa”

Por Bruna Martins, da área de Indicadores e Estudos Econômicos da Boa Vista SCPC

As novas medidas anunciadas ontem pelo Ministro da Fazenda, Joaquim Levy, deram continuidade ao ajuste fiscal, cuja meta é de 1,2% do Produto Interno Bruto (PIB) para 2015. Ao total, foram quatro medidas, que concentram-se na elevação de impostos e, segundo estimativas, serão responsáveis pela arrecadação de R$ 20 bilhões ainda este ano – cerca de um terço da meta estipulada pelo governo. Considerando a reposição do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) sobre automóveis e a economia gerada pela revisão das regras do seguro desemprego, abono salarial e pensões do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), medidas divulgadas logo após a posse do ministro, já podemos prever uma economia fiscal em torno de R$ 43 bilhões, cerca de 0,7% do PIB.

Para o ministro, tais medidas visam a retomada de confiança e o corte de gastos “é outra conversa”. A principal mudança é o aumento da tributação no setor energético, efetuadas a partir das elevações sobre suas principais taxas de contribuição: Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide), do Programa de Integração Social (PIS) e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins), impactando principalmente gasolina e diesel. A segunda medida contempla a elevação da alíquota do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), incidente sobre as concessões de crédito para as pessoas físicas (que passou de 1,5% para 3,0%). Em terceiro lugar, houve aumento do PIS/Cofins sobre importações (de 9,25% para 11,75%). Por último, a homogeneização entre impostos do setor de cosméticos (corrigindo assimetrias entre atacadistas e industriais).

Como esperado, parte do ajuste seria obtido pela redução de gastos, mas o aumento de tributos não era uma opção a ser desconsiderada. Por mais que em um primeiro momento essas mudanças possam ser negativas, pelo fato de elevar os custos para as indústrias, enfraquecer a demanda das famílias, além de piorar a situação da inflação no curto prazo esperamos uma boa contrapartida através do fortalecimento da confiança dos empresários e dos consumidores, fator que deverá colocar a economia em um eixo saudável, voltando a girar as engrenagens necessárias para a retomada do crescimento da atividade econômica.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…

Volume de serviços recua 1,0% em agosto e 4,5% no acumulado 12 meses

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE, o volume de serviços apresentou queda de 1,0% em agosto contra o mês anterior (dados dessazonalizados). A categoria de serviços prestados às famílias foi a única a apresentar queda (-4,8%), bastante atípica para o mês considerando o histórico da série. Os demais grupos apresentaram crescimento: Serviços…