Crédito imobiliário busca alternativas

Estamos vivendo mais uma mudança no mercado de crédito brasileiro. A única categoria de crédito às famílias que ainda apresentava crescimento vigoroso nos últimos anos, o crédito imobiliário, que chegou a crescer 50% em 2010 e hoje cresce 26% ao ano, mostra sinais de cansaço. E esse desgaste vem principalmente do lado da oferta. Os recursos que advém da caderneta de poupança e que compunham cerca de 80% do valor total do crédito imobiliário em 2013 minguaram e hoje só representam 40%.

Nos últimos quatro meses, os saques recordes deixaram os bancos com poucos recursos para emprestar. A poupança já perdeu R$ 29 bilhões em investimentos no período, que migraram tanto para outras aplicações financeiras com maiores taxas de juros como para a conta dos correntistas que viram seus orçamentos ficarem mais apertados com a elevação de preços na economia. A Caixa Econômica Federal (CEF), líder do setor com quase 70% das operações com recursos oriundos da poupança, suspendeu todos os novos pedidos de financiamento imobiliário, segundo reportagem do jornal Estado de São Paulo desta terça-feira. O rigor para os empréstimos vem aumentando e os incentivos diminuem com os juros maiores e menores percentuais a serem financiados.

Mas as dificuldades se estendem aos demais bancos, que solicitaram ao Banco Central (BC), em vão, a liberação de recursos dos depósitos compulsórios da poupança. O BC argumenta que uma medida como essa seria contraditória com as recentes decisões de aperto monetário.

Sem muitas alternativas, é mais provável que o governo passe a incentivar outras medidas para substituir o papel da poupança no financiamento imobiliário, apelando, por exemplo, para a flexibilização dos recursos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). A redução de recursos para financiamentos de imóveis não afeta somente o déficit habitacional brasileiro. Menos recursos podem levar a uma queda na demanda e no preço dos imóveis no Brasil, com possíveis desdobramentos sobre o bem-estar do mercado de crédito.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Número de novas empresas aumentou 6,6% no 1º trimestre de 2017, segundo Boa Vista SCPC

No 1º trimestre de 2017 o número de novas empresas cresceu 6,6% em relação ao mesmo período de 2016 (análise interanual), segundo levantamento da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), com abrangência nacional. Em relação ao 4º trimestre de 2016 houve aumento de 29,2%. Forma jurídica Na análise por classificação de forma…

Inadimplência das empresas inicia 2017 com queda de 0,3%, diz a Boa Vista SCPC

A inadimplência das empresas em todo o país caiu 0,3% no 1º trimestre de 2017 quando comparada ao mesmo trimestre do ano anterior, de acordo com dados da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Depois de três anos consecutivos de alta do indicador na comparação interanual (1º tri de 2017 contra o…

Boa Vista SCPC: inadimplência do consumidor paulistano caiu 4,3% no 1º trimestre

A inadimplência do consumidor na cidade de São Paulo teve queda de 4,3% no acumulado do ano (1º trimestre de 2017 contra o mesmo período do ano passado), de acordo com os dados da Boa Vista SCPC. Na comparação interanual (março-17 contra março-16), a inadimplência retraiu 8,4%. Contra o mês anterior (março-17 contra fevereiro-17) houve…