Crédito para quem tem confiança

O mercado de crédito apresentou significativo desaquecimento em 2014 e deverá continuar com essa tendência neste ano. Enquanto a demanda por crédito do consumidor apresenta recorrentes recordes negativos em seu desempenho, de acordo com os dados produzidos pela Boa Vista SCPC, a oferta de crédito também segue fortemente abalada.

Os custos do crédito aumentaram significantemente no último ano. Esta foi uma das constatações advindas do último Relatório Trimestral de Inflação do Banco Central (BC), divulgado na semana passada. Quando comparamos as taxas médias de juros e a chamada taxa preferencial – conhecida como a taxa mais barata praticada no mercado – verificamos que houve uma elevação dos juros praticamente contínua no ano passado. Apesar da manutenção da inadimplência em patamar baixo, os atrasos aumentaram, fator de alerta para a autoridade monetária. Outro apontamento, não tão inovador na análise, foi a forte desaceleração da concessão de crédito, que pode ser explicado basicamente pelas incertezas de mercado e também pelo comedimento, tanto por parte dos agentes financeiros como pelo consumidor mais cauteloso.

Sob o prisma da atividade econômica, o PIB do setor financeiro também tem mostrado contínua desaceleração: cresceu apenas 0,4% em 2014, bastante distante da média de 3,0% aferida nos três anos anteriores. Sua contraparte na demanda – ainda que indireta, medida pela “Demanda das Famílias” – também arrefeceu consideravelmente no ano, 0,9%, ante média de 4,4% registradas no triênio anterior – cálculo realizado para manter a base de comparação feita sobre os dados da oferta.

Todas essas variáveis estão completamente imbricadas e a chave para o bom desempenho de todas elas é apenas uma: a retomada da confiança na economia. Após anos de constante deterioração, os diversos ajustes econômicos em curso trabalham em prol da melhoria desta perdida confiança. Ainda estamos longe de consolidar tais ajustes e as dificuldades estão apenas começando. Resta saber se conseguiremos reequilibrar tantas variáveis em apenas um ano.
 

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…

Volume de serviços recua 1,0% em agosto e 4,5% no acumulado 12 meses

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE, o volume de serviços apresentou queda de 1,0% em agosto contra o mês anterior (dados dessazonalizados). A categoria de serviços prestados às famílias foi a única a apresentar queda (-4,8%), bastante atípica para o mês considerando o histórico da série. Os demais grupos apresentaram crescimento: Serviços…