Crise no Iraque pode elevar pressão no caixa da Petrobras

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

A tomada de Mosul, a segunda maior cidade iraquiana, por rebeldes apoiados pela Al-Qaeda fez disparar o preço do petróleo. O contrato futuro do barril de petróleo WTI para entrega em julho chegou a US$ 106,73 no mercado de Nova York, com alta de 2,5% no dia, a máxima em nove meses. Ao mesmo tempo, o preço do barril Brent, referência para as importações europeias, para entrega em julho chegou a US$ 113,32 em Londres, com uma valorização de mais de 3%.

O risco de guerra civil no Iraque, segundo maior produtor da OPEP, elevou mais uma vez os riscos geopolíticos da região para o topo da atenção dos investidores internacionais. A barreira simbólica dos US$ 110,00 do Brent foi ultrapassada. Esse efeito é de curto prazo, ajudado pelo excesso da liquidez internacional. No entanto, no caso do Brasil, é mais uma pressão no caixa da Petrobras, na medida em que a elevação do preço internacional do petróleo requer maior subsídio da Petrobras para manter o preço dos combustíveis inalterados no Brasil.

Comentários

comentários

Posts relacionados

CAGED: Setembro registra sexto saldo positivo consecutivo

Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério do Trabalho, em setembro o saldo de vagas no mercado de trabalho (diferença entre novas contratações e demissões) foi positivo em 34,4 mil postos. Deste modo, a leitura atual contrasta quando comparado ao mesmo período do ano anterior, quando foram encerradas 39,3…

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…