Custo do trabalho inviabiliza setores da indústria

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

Se fosse bem planejada uma maneira de quebrar boa parte da indústria brasileira, esse plano não seria tão eficiente quanto o arranjo que está posto em prática no momento no País. Mais um estudo setorial, desta vez pela Firjan, Federação das Indústrias do Rio de Janeiro, exibe números que comprovam a crescente inviabilidade competitiva de largos segmentos industriais do Brasil. A Firjan pesquisou 15 deles. No acumulado de 2011 e 2012, o aumento de custo médio do trabalho foi de 11,3% em termos reais. Oito segmentos estiveram acima dessa média, atingindo até 25,3% de alta num caso. Menos mal teria sido esse impacto de custo se acompanhado de elevações na produtividade da mão-de-obra, que variou de modo insignificante.

Dados pesquisados pela RC Consultores corroboram a pesquisa da Firjan. Entre agosto de 2010 e agosto de 2013, o custo médio do trabalho industrial saltou 11,3% reais (descontada a inflação) enquanto a produtividade evoluiu apenas 2%. Mesmo no período mais recente, em que o custo médio do trabalho vem crescendo mais devagar, a diferença é de três vezes sobre a expansão pífia da produtividade. Em outras palavras, o produto industrial brasileiro perdeu mais de 10% de vantagem competitiva, apenas por conta da folha salarial, no período Dilma, fato contornado, só em parte, pela desoneração do INSS patronal antes incidente na folha, que se deslocou para o faturamento em alguns ramos. De modo geral, o custo do trabalho é um item gravoso na produção brasileira. Porém, o campeão em destruição de caixa operacional na indústria é o manicômio tributário, seguido dos custos de infraestrutura ruim e excesso de burocracia. No último fim de semana, mais uma importante e tradicional empresa industrial, a Mangels, pediu recuperação judicial. Ela ainda gera cerca de 2 mil empregos diretos.

Ed.306

Comentários

comentários

Posts relacionados

Maioria dos consumidores afirma ter perfil equilibrado quanto aos seus hábitos de consumo, revela pesquisa da Boa Vista SCPC

A maioria dos entrevistados (59%) em pesquisa inédita desenvolvida pela Boa Vista SCPC afirma ter um perfil equilibrado quando questionada sobre os seus hábitos de compra. Outros 28% dizem ter perfil conservador, e 13% afirmam ser consumistas. O levantamento da Boa Vista SCPC, elaborado com 1.169 entrevistados, em todo o Brasil, no período entre 31…

Parceria ADASP com a Boa Vista SCPC possibilita a ampliação de resultados

A Boa Vista SCPC tem parceria com mais de 2.200 entidades de classes representativas em todo o Brasil. Destaca-se também pela inovação e contínuo investimento em tecnologia para desenvolvimento de soluções que antecipem as principais demandas do mercado. Possui um time com centenas de profissionais especializados em modelagem estatística de informações, o que garante produtos…

Percentual de cheques devolvidos atingiu 2,06% em fevereiro, segundo Boa Vista SCPC

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados atingiu 2,06% em fevereiro, registrando diminuição em relação a fevereiro de 2016, quando alcançou 2,22%. O percentual de cheques devolvidos sobre movimentados também recuou na comparação mensal (em janeiro o nível foi de 2,07%), sendo o resultado…