De volta ao petróleo?

Por Yan Cattani, da área de Indicadores e Estudos Econômicos da Boa Vista SCPC

A Petrobras finalmente anunciou a renúncia de sua principal executiva Graça Foster. Além disso, praticamente toda a diretoria executiva da empresa deverá ser alterada: 5 dos 6 atuais diretores deixaram também a empresa. José Eduardo Dutra foi o único que não assinou a renúncia, pois encontra-se afastado por motivos de saúde. Sua eventual saída é dada como certa.

A expectativa pela troca da diretoria já havia sendo especulada desde o fim do mês passado, após o episódio da entrega do balanço (referente ao terceiro trimestre de 2014) sem as devidas estimativas de perdas por desvio de dinheiro dentro da empresa. Desde o ano passado a deterioração do valor de mercado da empresa foi calculada em cerca de 50%, considerando os valores de início de ano da ação preferencial da empresa.

Ainda ontem, quando Graça Foster se reuniu no Planalto com Dilma, questionava-se se a presidente da Petrobras iria de fato renunciar, e caso ocorresse, quem seria o responsável para assumir o cargo da delicada situação. Executivos de alto-escalão geralmente não titubeiam um convite deste porte, contudo, o prestígio atual está bastante desgastado, sendo difícil, inclusive, realizar uma sondagem dos presidenciáveis para a estatal. Ademais, alguns juristas apontam o risco de implicação criminal, além do eventual comprometimento do patrimônio desses futuros executivos. Se um nome já é difícil de ser indicado, somando os outros diretores, o quadro complica-se ainda mais.

De qualquer maneira, a troca do comando da petrolífera logo no início de fevereiro passa um sinal positivo ao mercado. Independente da escolha, sabe-se que no próximo balanço deverão constar as baixas contábeis, pois caso contrário, as empresas credoras da Petrobras poderão antecipar seus recebíveis, amargando ainda mais os prejuízos. Até lá são praticamente dois meses, e espera-se que seja tempo hábil para tirar os holofotes dos escândalos e dar uma guinada em direção ao principal negócio da empresa, o petróleo.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Número de novas empresas cai 3,8% no 2º trimestre

No 2º trimestre de 2017 o número de novas empresas caiu 3,8% em relação ao trimestre anterior, segundo levantamento da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), com abrangência nacional. Assim, o resultado configura a primeira queda para esse trimestre desde o início da série histórica (2003). Ainda assim, os valores acumulados no…

Vendas para o dia dos pais recuam 0,5% em 2017

As vendas do comércio para o dia dos pais diminuíram 0,5% em 2017 quando comparadas a 2016, segundo dados da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). O recuo das vendas nesta data foi mais fraco do que o observado em 2016, quando o comércio retraiu 5,2% em relação ao mesmo período de…

Recuperação de crédito cai 1,7% no acumulado 12 meses

O indicador de recuperação de crédito – obtido a partir da quantidade de exclusões dos registros de inadimplentes da base da Boa Vista SCPC – apontou queda de 1,7% na variação acumulada em 12 meses (agosto de 2016 até julho de 2017). A variação mensal com dados dessazonalizados apresentou queda de 6,4% contra o mês…