Déficit fiscal se alarga com despesas correntes e juros

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

Como num orçamento familiar desequilibrado, o déficit fiscal do governo em 2013 é produto da soma de variados excessos, uns enormes, outros menores, que compõem o desequilíbrio final das contas públicas, causa fundamental da pressão inflacionária constatada nos preços livres da economia (acumulando cerca de 8% ao ano) e do crescente déficit externo, medido pela conta corrente do balanço de pagamentos, que deve encerrar este ano em quase 4% do PIB, cerca de US$80 bilhões. Esses excessos têm sua própria justificativa, seja o auxílio à seca do Nordeste, a conta de compensação nas contas de energia (R$10 bi só este ano), as desonerações pontuais de impostos que o governo insiste em conceder, o atraso nos reajustes do combustível (pois reduzem os dividendos da Petrobras à União) e, principalmente, a velocidade do crescimento de milhares de rubricas de despesas correntes, inclusive de encargos financeiros, que vêm crescendo ao DOBRO da expansão do PIB nominal (14% ao ano).

Os tributos (7% ao ano), atrelados ao desempenho da economia, mesmo com a carga pesada da Receita Federal sobre os contribuintes, não conseguem acompanhar a evolução da despesa. O resultado primário, isto é, o saldo de arrecadação “economizado” para pagar os juros da dívida está mais magro este ano. O ministro Mantega acaba de admitir um saldo primário inferior a R$100 bi, cerca de 1,5% do PIB, já que os estados e municípios se encontram “liberados” deste esforço, na medida em que o Congresso dispensou os entes federados da sua responsabilidade participada. Mais do que a repercussão monetária da medida, essa dispensa de colaboração traz um exemplo negativo equivalente ao de desonerar alguns membros da família de colaborar com o esforço de equilibrar um orçamento doméstico. O empenho de se fazer um resultado primário elevado é para cobrir juros da dívida que, no Brasil, é um dos encargos mais elevados do mundo, em termos relativos, já que consome 5% do PIB, conta muito mais alta do que em outros países até mais endividados. Este desequilíbrio estrutural das contas públicas nunca foi atacado de modo definitivo, daí as reiteradas dúvidas sobre se o País permanece ou não como “investment grade”. De fato, talvez, o Brasil nunca tenha chegado lá.

Ed.321

Comentários

comentários

Posts relacionados

47% dos consumidores inadimplentes estão muito endividados, revela pesquisa da Boa Vista SCPC

O nível de endividamento elevado (muito endividado) atinge 47% dos consumidores inadimplentes, ou seja, que estão com o “nome sujo”, de acordo com a pesquisa nacional Perfil do Consumidor Inadimplente, realizada pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), com cerca de 1.500 respondentes. Em seguida, 26% se dizem mais ou menos endividados,…

Boa Vista SCPC: recuperação de crédito cai 1,1% no semestre

O indicador de recuperação de crédito – obtido a partir da quantidade de exclusões dos registros de inadimplentes da base da Boa Vista SCPC – apontou queda de 1,1% no 1º semestre do ano quando comparado ao mesmo período do ano anterior. Na variação acumulada em 12 meses (julho de 2016 até junho de 2017)…

Inadimplência do consumidor cai 0,8% no 1º semestre, diz Boa Vista SCPC

A inadimplência do consumidor caiu 0,8% no 1º semestre de 2017, na comparação com o 1º semestre de 2016, de acordo com dados nacionais da Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (julho de 2016 até junho de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve retração de 3,1%. Na avaliação mensal dessazonalizada, a…