Derrota no futebol já rende lições ao País

Por Paulo Rabello de Castro, da RC Consultores

O Brasil esperava o hexacampeonato pelo calor da emoção. Mas não havia base racional para tal esperança. Com a derrota estrondosa no Mineirão, a ficha caiu e, com realismo espantoso, os brasileiros aceitaram o placar como quem se resigna aos resultados de um vestibular mal sucedido. É preciso começar de novo. Mas não do mesmo ponto em que estávamos antes da derrota. Aprendemos. E muito. A derrota, quando vem com leitura reflexiva, é mais pedagógica do que uma vitória.

E começaram a aparecer as lições provindas de reflexão. Uma delas é que o futebol brasileiro imita a sociedade e a economia. Não seria por acaso que o Brasil das décadas de 1950 a 70 produziu o tricampeonato com seu futebol-arte. Na economia foi igual. Primeiro, o espantoso impulso industrializador e de infraestrutura do período JK, com Brasília e a abertura do Centro Oeste, nosso atual celeiro. A seleção de Feola faturou o caneco em 1958. Em seguida, as reformas institucionais promovidas pelos craques Campos e Bulhões, com o novo Banco Central, a lei bancária, a lei de mercado de capitais, o BNH e o FGTS, a estruturação da dívida mobiliária, o inovador Código Tributário Nacional, só entre os mais significativos avanços. O “tri” veio em 1970, com o PIB brasileiro crescendo mais de 10% ao ano! E mais importante: o setor governo funcionava bem, com uma poupança e investimento públicos na faixa de 5% do PIB (só para comparar, a poupança pública hoje é negativa e o investimento do governo não chega a 2% do PIB).

Talvez as duas últimas vitórias do Brasil, em 94 e 2002, também sejam reflexo de uma vitória do País sobre a inflação e a pobreza absoluta, a partir do Plano Real (1994). Mas foi revolução incompleta. O Brasil virou o “País dos Impostos”, com uma gestão pública perdulária e sem programa, o que ficou claro no cotejo do padrão FIFA com o padrão “puxadinho” e com o padrão povo, este sim nota dez. Portanto, consertar a seleção é consertar o Brasil do setor público. Nada menos do que uma transformação se impõe. É o que pedem as ruas. E agora as arenas.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Fazer parte do Cadastro Positivo passa a ser fundamental para o consumidor, afirma Boa Vista SCPC

Se por um lado a aprovação da Medida Provisória que tornará automática a adesão dos consumidores brasileiros ao banco de dados de bons pagadores, em virtude da alteração na Lei 12.414/2011 está, por tempo indeterminado, pendente em Brasília, por outro, passa a ser cada vez mais contundente a responsabilidade de o consumidor conhecer e entender…

Percentual de cheques devolvidos atinge 2,11% em maio, segundo Boa Vista SCPC

O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 2,11% em maio, registrando uma diminuição em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando alcançou 2,33%. Na comparação mensal, o percentual de cheques devolvidos sobre movimentados obteve leve aumento (em abril o nível foi de…

Movimento do Comércio sobe 2,7% em maio, diz Boa Vista SCPC

Informações do varejo apuradas pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito) apontam que o Movimento do Comércio subiu 2,7% em maio, considerando os dados mensais com ajuste sazonal. Na avaliação acumulada em 12 meses (junho de 2016 até maio de 2017 frente ao mesmo período do ano anterior) houve queda de 3,0%…