Desaceleração na China deverá afetar economia brasileira

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

Segundo relatório do instituto de pesquisa americano Conference Board, o crescimento da China deverá apresentar desaceleração expressiva ao longo da próxima década, para 3,9%, em meio a forte queda de produtividade e o fracasso dos líderes do país em estabelecer políticas internas firmes para reestruturar a economia. O instituto prevê que a China vai crescer a uma taxa média de 5,5% entre 2015 e 2019, após a expansão de 7,7% registrada em 2013. Entre 2020 e 2025, registrará um crescimento médio de 3,9%.

As autoridades Seniores do Partido Comunista começam a se reunir esta semana em Pequim num encontro sobre política econômica, que vai tratar da desaceleração econômica. A meta de crescimento do PIB chinês de 7,5% este ano está ameaçada pela crise imobiliária, fraca expansão industrial e investimento em ritmo moderado. Além disso, a China tem um plano em marcha de mudar seu sistema financeiro fechado e centralmente manipulado para um regime mais aberto e no qual os riscos de não pagamento passem a ser uma variável relevante na concessão de crédito. Vale lembrar que a economia chinesa passa por uma bolha de crédito e, portanto, de preços, pela política adotada de crédito ilimitado a empresas, na presunção de que o governo resgatará sempre os credores. Embora continue a crescer mais do que a maioria dos países no mundo, a desaceleração chinesa, pela sua dimensão, tem impacto importante em todo mundo. Nesse cenário, o Brasil, grande fornecedor de commodities para a China, deve ser afetado. Os efeitos começaram com ajustes nos preços do minério de ferro. O setor agroindustrial brasileiro, que contribuiu enormemente para o saldo de nossas reservas internacionais, deve ser o próximo a sofrer com os ajustes de preços.

Comentários

comentários

Posts relacionados

47% dos consumidores inadimplentes estão muito endividados, revela pesquisa da Boa Vista SCPC

O nível de endividamento elevado (muito endividado) atinge 47% dos consumidores inadimplentes, ou seja, que estão com o “nome sujo”, de acordo com a pesquisa nacional Perfil do Consumidor Inadimplente, realizada pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), com cerca de 1.500 respondentes. Em seguida, 26% se dizem mais ou menos endividados,…

Boa Vista SCPC: recuperação de crédito cai 1,1% no semestre

O indicador de recuperação de crédito – obtido a partir da quantidade de exclusões dos registros de inadimplentes da base da Boa Vista SCPC – apontou queda de 1,1% no 1º semestre do ano quando comparado ao mesmo período do ano anterior. Na variação acumulada em 12 meses (julho de 2016 até junho de 2017)…

Inadimplência do consumidor cai 0,8% no 1º semestre, diz Boa Vista SCPC

A inadimplência do consumidor caiu 0,8% no 1º semestre de 2017, na comparação com o 1º semestre de 2016, de acordo com dados nacionais da Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (julho de 2016 até junho de 2017 frente aos 12 meses antecedentes) houve retração de 3,1%. Na avaliação mensal dessazonalizada, a…