Desafio fiscal se mantém em 2014

Por José Valter Martins de Almeida / Thiago Custódio Biscuola, da RC Consultores

O superávit fiscal do Governo Central, economia para o pagamento dos juros da dívida, deve ficar em torno de R$ 75 bi em 2013, o equivalente a 1,5% do PIB. Estes são dados ainda preliminares antecipados pelo ministro da fazenda, Guido Mantega, na última sexta-feira. Com este resultado prévio, a meta ajustada de R$ 73 bi, estabelecida em julho, será alcançada. Tal resultado se deve, sobretudo, às receitas extraordinárias anunciadas no mês de novembro, que somam cerca de R$ 35 bi, divididas entre as novas modalidades do Refis (pelo menos R$ 20 bi) e o pagamento do bônus do campo de Libra (R$ 15 bi). Ainda assim, este será o menor resultado fiscal (como percentual do PIB) desde 1998.

O desafio fiscal será ainda maior neste ano. Sem as receitas extraordinárias, que têm pouca ou nenhuma chance de se repetirem em anos futuros, o valor do superávit cairia pela metade. O gasto do governo cresceu mais uma vez em velocidade maior que a da expansão do PIB. Esse aumento da despesa não alargou os recursos para investimentos. Com um cenário econômico de inflação no teto da meta, baixo crescimento e déficit externo crescente, o ano de 2014 promete ser complexo. Tudo indica que a política fiscal seja novamente expansionista, especialmente por ser 2014 um ano eleitoral.

Ed.340

Comentários

comentários

Posts relacionados

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…

Volume de serviços recua 1,0% em agosto e 4,5% no acumulado 12 meses

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE, o volume de serviços apresentou queda de 1,0% em agosto contra o mês anterior (dados dessazonalizados). A categoria de serviços prestados às famílias foi a única a apresentar queda (-4,8%), bastante atípica para o mês considerando o histórico da série. Os demais grupos apresentaram crescimento: Serviços…