Desmonte de um paradoxo

Um dos maiores paradoxos recentes da economia brasileira começa a ser desmontado. Enquanto a maior parte dos indicadores econômicos apresentou sensível piora nos últimos anos, o mercado de trabalho parecia alheio às más notícias e permanecia como principal baluarte da política econômica. No entanto, os últimos dados divulgados pelo IBGE nesta quinta-feira apontam sensível piora para sua Pesquisa Mensal do Emprego. A taxa de desemprego em fevereiro registrou alta de 0,6 p.p. com relação a janeiro, atingindo 5,9% de desocupação da população ativa e subindo 0,8 p.p. com relação a fevereiro de 2014.

Os rendimentos reais também começam a perder o fôlego, com o valor médio habitual de R$2.163,20 caindo 0,5% na média interanual. Na comparação mensal, os rendimentos apresentaram recuo de 2,1%. Em termos regionais, o desemprego nas regiões metropolitanas do Nordeste, especificamente, atinge níveis preocupantes. Salvador lidera a lista com 10,8% de desocupação, e Recife aponta taxa de 7,0%.

O mercado de trabalho mostra grandes sinais de desaquecimento. Os dados refletem ao mesmo tempo a redução da ocupação e o crescimento da procura por trabalho. A perspectiva de deterioração é inevitável: o mau andamento da economia e o consequente aumento das demissões em diversos segmentos produtivos (sobretudo no setor industrial) consolida-se mês a mês; barreiras sobre diversos benefícios trabalhistas, fruto das medidas de ajuste fiscal, também já mostram os primeiros impactos no aumento do desemprego e na queda dos rendimentos reais. A inflação, que deverá rondar próxima de 7,5% no ano, também colaborará adicionalmente para o aperto real dos ganhos.

Neste cenário o desemprego deve continuar em trajetória de alta, elevando-se cerca de 1,5 p.p., e ultrapassando os 6,5% ao final de 2015. O rendimento real, que vinha crescendo a taxas médias de 3,0% ao ano deve desacelerar para um patamar de crescimento próximo a 0,8%.

Comentários

comentários

Posts relacionados

Demanda por Crédito do Consumidor cai 0,7% no 1º semestre, segundo Boa Vista SCPC

A Demanda por Crédito do Consumidor caiu 0,7% no 1º semestre de 2017, em comparação ao 1º semestre de 2016, de acordo com dados nacionais da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação interanual, junho apresentou estabilidade nos dados, enquanto nos valores acumulados em 12 meses (julho de 2016 até junho…

Movimento do Comércio cai 3,2% no 1º semestre, diz Boa Vista SCPC

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, caiu 3,2% no acumulado no ano (1º semestre de 2017 contra o mesmo período do ano passado), de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Na avaliação acumulada em 12…

47% dos consumidores inadimplentes estão muito endividados, revela pesquisa da Boa Vista SCPC

O nível de endividamento elevado (muito endividado) atinge 47% dos consumidores inadimplentes, ou seja, que estão com o “nome sujo”, de acordo com a pesquisa nacional Perfil do Consumidor Inadimplente, realizada pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), com cerca de 1.500 respondentes. Em seguida, 26% se dizem mais ou menos endividados,…