Dilma promete priorizar a redução de impostos em 2013

Por José Valter Martins de Almeida, da RC Consultores

A presidente Dilma afirmou ontem ser prioritária a redução de impostos: “no próximo ano, essa vai ser uma das minhas maiores lutas, a redução de impostos”, disse a Presidente na entrega do prêmio Finep de inovação. No discurso, Dilma afirmou que o conjunto de medidas anunciadas nos últimos meses, visando “desatar nós”, inclusive com redução de impostos, vai levar o Brasil a um crescimento “sistemático e sustentável”. 

De fato, ainda que muitos nós precisem ser desatados na área de infraestrutura, o Brasil só conseguirá aumentar a competitividade quando o TEGE for eliminado. TEGE é Tributo Excessivo, Gasto Estéril. A tributação excessiva na mão de obra, na energia, nos bens de capital e nos insumos faz explodir o custo, produzindo-se menos e mais caro. Parece que a Presidente está consciente do problema. Falta executar.

Ed.94

Comentários

comentários

Posts relacionados

Percentual de cheques devolvidos atinge 2,29% em março, segundo Boa Vista SCPC

No mesmo mês do ano anterior, o percentual foi de 2,59% 20 de abril 2017 – O número de cheques devolvidos (segunda devolução por falta de fundos) como proporção do total de cheques movimentados[1] atingiu 2,29% em março, registrando diminuição em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando alcançou 2,59%. O que representa menos cheques…

Vendas para a Páscoa cresceram 2,2% em 2017, segundo Boa Vista SCPC

Dados da Boa Vista SCPC mostraram que em 2017 as vendas do comércio para a Páscoa cresceram 2,2% quando comparadas ao mesmo período do ano anterior. Em 2016 as vendas apresentaram queda de 5,8% e em 2015 a retração foi menos intensa (-0,3%). O resultado deste ano é o segundo negativo da série histórica, que…

Movimento do Comércio sobe 2,5% em março, aponta indicador da Boa Vista SCPC

Informações do varejo apuradas pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito) apontam que o Movimento do Comércio subiu 2,5% em março, considerando os dados mensais com ajuste sazonal. Na avaliação acumulada em 12 meses (abril de 2016 até março de 2017) houve queda de 3,5% frente aos 12 meses antecedentes. Já na…