Efeito Caixa

Já é certo que todos os bancos que ofertam financiamento habitacional aumentarão suas taxas. Os bancos públicos, responsáveis por capitanear o alavancamento deste tipo de recurso nos últimos anos, anunciam importantes mudanças. Dentre eles, a Caixa Econômica Federal (principal instituição pública para a modalidade imobiliária), que já anunciou o encarecimento do crédito, válido desde 13 de abril.

É a segunda vez que o banco encarece os recursos imobiliários no ano. Em janeiro houve reajuste dos recursos da poupança (SBPE) no âmbito do Sistema Financeiro de Habitação (SFH). Desta vez, o foco difere da elevação ocorrida em janeiro, que atingia imóveis com valores elevados. As taxas passaram de 9,15% a.a. para 9,45% a.a. para aqueles que não possuem vínculo com o banco. Para aqueles que já possuem relacionamento com a Caixa, o valor passou de 8,75% a.a. para 9,30% a.a. Os financiamentos que usam o sistema SAC (em que as parcelas são mais altas no início) podiam financiar até 90% do imóvel e agora têm teto de 80%, e para os financiamentos do sistema Price (em que o valor das parcelas é constante) agora podem financiar até 50% do imóvel. As únicas taxas de juros não afetadas foram as dos financiamentos habitacionais contratados com recursos do Programa Minha Casa Minha Vida e FGTS.

Em nota divulgada pela Caixa, o encarecimento do crédito ocorre devido à alta da taxa básica de juros (Selic). Até agosto de 2012, a poupança rendia 0,5% ao mês mais a variação da Taxa Referencial (TR). Após este período, a remuneração passou a depender da Selic: quando for igual ou menor a 8,5% ao ano, a poupança passa a render 70% da Selic mais a variação da TR. Em termos mais diretos, como a poupança se tornou menos atrativa, as pessoas passaram a investir em outros canais. O problema é que essa era a fonte principal dos recursos direcionados. Com as mudanças, os bancos tiveram que reorganizar suas captações em outros tipos de investimentos, LCI e CRI (títulos lastreados ao mercado imobiliário) que são mais caros, pois acompanham a taxa básica de juros.

De qualquer maneira, podemos ter certeza de um fato: no mercado, quando o principal player toma uma atitude, independente da direção, a tendência é que os demais o sigam.

Comentários

comentários

Posts relacionados

CAGED: Setembro registra sexto saldo positivo consecutivo

Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério do Trabalho, em setembro o saldo de vagas no mercado de trabalho (diferença entre novas contratações e demissões) foi positivo em 34,4 mil postos. Deste modo, a leitura atual contrasta quando comparado ao mesmo período do ano anterior, quando foram encerradas 39,3…

Movimento do Comércio sobe 1,5% em setembro

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 1,5% em setembro quando comparado a agosto na análise com ajuste sazonal, de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC. Na avaliação acumulada em 12 meses (outubro de 2016 até setembro de 2017 frente ao…

IBC-BR recua 0,38% em agosto e 1,0% no acumulado 12 meses

18 de outubro 2017 – Segundo o Banco Central, o indicador antecedente da atividade econômica (IBC-BR[1]) recuou 0,38% na comparação mensal contra o mês de julho (dados dessazonalizados). Considerando a variação acumulada em 12 meses, o ritmo de queda segue diminuindo: a leitura de agosto apresentou um recuo de 1,0% (após registrar queda de 1,4%…